Portugal

“Não sabia qual era a sensação de ver o Sporting campeão”: eles eram bebés em 2002

Manuel Branco começa por pedir desculpa pela voz rouca e mais tarde confessa que roeu as unhas todas. Foi um dia desgastante, o de esta terça-feira, para este adepto sportinguista de 19 anos. Mas a emoção de ver o seu clube campeão pela primeira vez (vamos excluir a vitória de 2001/2002, que se assinalou quando tinha apenas seis meses) compensa os danos físicos. “Foi uma loucura”, descreve o estudante de Gestão.

Neto de sportinguista, filho de sportinguista, irmão de sportinguistas: o amor pelo clube desenvolveu-se da forma “tradicional”, ou seja, passou de geração em geração. “O meu avô é o sócio mil e pouco, talvez nem tanto”, conta. Mas arrisca-se a dizer que é “o mais louco da família”, o mais “apaixonado”. O pai e o avô “talvez se tenham conformado com a derrota e não vivem tanto”; os irmãos “vivem muito o Sporting, mas não de forma tão intensa” — e ele, apesar de ter sido estreante nos festejos, e dos muitos anos a repetir “para o ano é que é”, nunca desistiu do clube. Até que o ano chegou.

A namorada Joana Carvalho, também adepta do já sagrado campeão nacional, confirma: “Quando começámos a namorar, o Manuel dizia-me que se não fosse do Sporting não namorava comigo”, ri. Na sua família “houve alguma coisa que correu mal de geração em geração”. Misturam-se benfiquistas e sportinguistas, com os primeiros em clara vantagem numérica. “Só eu, a minha avó, a minha mãe e um tio é que somos sportinguistas. Vivemos os quatro com uma grande emoção, mas às vezes é um bocado triste não poder partilhar a minha felicidade ou tristeza com mais pessoas. Mas agora chegou o sentimento que eles têm muitas vezes”, refere a jovem de 19 anos.

Manuel e Joana nos festejos
Manuel Branco DR

Juntos, assistiram ao jogo frente ao Boavista. “Foi muito emocionante. Estava sempre perto de chorar”, conta Joana. Manuel relembra os nervos: “Cada bola que passava do meio-campo punha toda a gente a tremer.” Quando o golo chegou, foi “uma explosão de alegria”.

Dezanove anos depois, já podem dizer que sim, já viram o Sporting ser campeão. “Não sabia qual era a sensação e foi óptimo”, diz Joana. Mas, até lá, o sentimento foi de cautela. “Antes do jogo fomos receber a equipa a Alvalade e estava sempre a pensar: ‘Estamos aqui todos a festejar e, vai na volta, ainda não é hoje que ganhamos’”, confessa. 

Joana Carvalho e a mãe DR

Tivesse André Freitas arranjado companhia e poderia ter-se cruzado com Joana e Manuel nos festejos no Marquês. O jovem de 22 anos, natural de Guimarães, esteve muito perto de se aventurar numa ida a Lisboa para celebrar a vitória do seu clube. “Estava ansioso pela hora do jogo. Quando cheguei a casa, liguei a televisão e vi aquela gente toda em Lisboa, deu-me vontade de ir”, conta. Acabou por ficar por Fafe, Braga e Felgueiras, onde há núcleos do Sporting — mas já tem marcada uma ida a Lisboa para o próximo sábado.

“É diferente ser do Porto ou do Benfica, dos que estão habituados a ganhar mais. Mesmo nas competições europeias, são esses que conseguem sempre mais. Lembro-me de o Sporting ter ido a uma meia-final da Liga Europa, há cerca de dez anos, e essa é a melhor lembrança que tenho do Sporting nas competições europeias”, refere.

Acreditava, contudo, que “havia de chegar a vez” do seu clube, ainda que no início da época não tivesse grande esperança. Tal como Joana e Manuel. “Levamos as coisas como ‘ok, este ano vamos ficar outra vez em terceiro ou em segundo’, mas depois a coisa foi ganhando uma projecção grande e a esperança de ganhar foi crescendo, porque sentimos que havia uma união muito grande dentro da equipa”, refere Manuel. Foi essa união, salienta, que foi instigando a esperança.

André Freitas

“A piada do futebol é que é imprevisível. Havia sempre aquele medo de alguém nos passar à frente ou termos uma fase má e descambarmos”, diz Joana. Mas agora, depois de muitos momentos de “levar as mãos à cabeça e não querer sequer ir ao estádio”, pode voltar a chama de alguns adeptos que até acabaram por “ficar resguardados durante algum tempo”, acredita Manuel. Joana acrescenta: “Nem sabia que existiam tantos sportinguistas à minha volta.”

André também adivinha um futuro risonho para o clube. E faz uma aposta: “Vamos terminar o campeonato sem derrotas.” Além do amor pelo clube e da estreia na vitória do campeonato, há mais uma coisa que estes sportinguistas têm em comum: os três podem dizer que este ano é que foi.

Football news:

Scotland coach Clarke: There were a lot of good moments during the group stage, but no points scored
England are the most boring group winners in history. Two goals were enough! And at the World Cup, the Italians once became the first even with one
Dalic - to the fans after reaching the Euro playoffs: You are our strength, and we will be your pride
Modric became the youngest and oldest goalscorer in Croatia at the Euro
Czech Republic coach Shilgava: We came out of the group and fought with England for the first place. We got what we wanted
Gareth Southgate: England wanted to win the group and continue to play at Wembley-and it succeeded
Luka Modric: When Croatia plays like this, we are dangerous for everyone