logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Portugal

Novas manifestações na Índia contra cidadania a refugiados não muçulmanos

Vários milhares de pessoas concentraram-se hoje em Nova Deli e apelaram ao Governo do primeiro-ministro Narendra Modi a renunciar a esta lei que, para os seus opositores, "dividirá" o país secular "com critérios religiosos".

A alteração modifica a Lei da Cidadania de 1955 para permitir que imigrantes hindus, sikh, budistas, jainistas, parses e cristãos originários do Afeganistão, Bangladesh e Paquistão que tenham ido para o país antes de 2015, possam obter a cidadania indiana.

Ou seja, a nova lei facilita a atribuição da cidadania indiana aos refugiados daqueles países, com a condição que eles não sejam muçulmanos.

As manifestações foram marcadas por episódios de violência no Estado de Bengala ocidental, onde pelo menos 20 autocarros e duas estações de transportes foram incendiadas. Pneus em chamas foram atirados e usados para bloquear estradas pelos manifestantes.

Em Guwahati, Assam (um Estado com um profundo sentimento anti-imigrantes), onde na quinta-feira a polícia abriu fogo contra uma multidão de manifestantes, provocando a morte de duas pessoas e ferindo 26, várias centenas assistiram ao funeral de uma das vítimas, Sam Stafford, 18 anos, na sexta-feira.

"Acompanhámos as notícias o dia inteiro na televisão, mas o meu sobrinho saiu de casa à noite. Pedimos que não fosse, mas ele foi lá com os seus amigos", contou à AFP a tia do estudante, Julie Stafford.

Oitenta e cinco pessoas foram detidas durante as manifestações, disse hoje o chefe da polícia de Assam, Bhaskar Jyoti Mahanta, em declarações à agência de notícias Press Trust of India.

Perante a possibilidade de novos protestos, as autoridades prolongaram até segunda-feira o corte de Internet em Assam.

Na sexta-feira, o Governo do Japão anunciou o adiamento da viagem à Índia do primeiro-ministro, Shinzo Abe, devido à intensificação dos protestos em alguns pontos do país que previa visitar.

A oposição e as organizações de defesa dos direitos humanos apontam que esta lei faz parte de um programa nacionalista de Modi que visa marginalizar os 200 milhões de indianos muçulmanos.

O primeiro-ministro português, António Costa, desloca-se a Nova Deli na próxima quinta-feira, numa curta visita que inclui um encontro de trabalho com o chefe do Governo da Índia, Narendra Modi, tendo em vista o aprofundamento das relações bilaterais.

Themes
ICO