Nuno Freitas irá deixar o cargo de presidente da CP a 1 de outubro, sexta-feira. O engenheiro, que terminava o mandato dentro de três meses, pediu à tutela para sair mais cedo da empresa por considerar que já cumpriu todos os objetivos a que se propôs, noticia o Público (artigo para assinantes).

Num comunicado enviado aos trabalhadores, o ainda presidente da CP explicou que o seu “compromisso” para com a empresa “contemplava apenas um mandato”. “Concluído o trabalho a que me propus, solicitei a antecipação do fim desse mandato em três meses. Depois de expor pessoalmente a minha vontade e razões ao senhor ministro, obtive o seu acordo para antecipação da minha saída”, explicou.

Nuno Freitas assumiu a presidência em 2019, por insistência do ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, sucedendo a Carlos Gomes Nogueira, que estava em funções desde 2017. Era então diretor-geral da Nomad Tech, detida em 35% pela EMEF, a empresa de manutenção da CP.

Engenheiro Nuno Freitas nomeado presidente da CP

O engenheiro será substituído pelo seu vice, Pedro Moreira. Joaquim Guerra, chefe de gabinete de Nuno Freitas e presidente da Plataforma Ferroviária Portuguesa, passará para o conselho de administração, refere o mesmo jornal.