logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Portugal

Oposição interna a Catarina Martins ganha fôlego no pós-eleições

MIGUEL RIOPA

Atitude do Bloco nas negociações para o Orçamento “preocupa” críticos. Direção é acusada de ser "centralista"

É difícil calcular qual é a dimensão exata da crítica interna no Bloco de Esquerda, mas, para já, pode tirar-se uma conclusão: a atitude do partido desde as eleições, com a disponibilidade demonstrada para fazer novo acordo com o PS — uma hipótese rejeitada pelo Governo — e a abertura para viabilizar o Orçamento do Estado, veio reforçar a tese dos críticos de Catarina Martins.

O encontro nacional que aconteceu no passado domingo, batizado de “Convergência”, foi uma prova das movimentações e daquilo a que os críticos da atual direção chamam um “desconforto” com as recentes opções do Bloco. Cerca de 200 militantes ou simpatizantes, muitos deles associados à corrente interna Via Esquerda, deslocaram-se a Lisboa para um encontro de onde saiu um manifesto e uma “articulação nacional”, assim como a promessa da apresentação de uma moção na próxima convenção do partido. Entre os rostos mais conhecidos estão os ex-deputados Pedro Soares, Carlos Matias ou Mário Tomé, histórico da UDP e mandatário do partido nas últimas eleições.

Este é um artigo exclusivo. Se é assinante clique AQUI para continuar a ler (também pode usar o código que está na capa da revista E do Expresso).

Torne-se assinante

Themes
ICO