Portugal

Pandemia: Cerca de 10 mil israelitas exigiram mais ajuda ao governo

A manifestação foi organizada por muitos grupos de trabalhadores, principalmente de independentes, mas também de setores severamente afetadas pela pandemia, como o turismo e o entretenimento.

Na Praça Rabin, cheia de gente, vários trabalhadores subiram ao palco e expressaram as suas exigências, diante de todos os manifestantes, que vieram de diferentes partes do país, com bandeiras e faixas com mensagens como "libertem o dinheiro", "estamos fartos" e "deixem-nos viver da nossa arte".

Centenas de polícias garantiram a segurança durante o protesto e supervisionaram o cumprimento das regras de distanciamento social entre os manifestantes, incluindo o uso de máscaras.

Os organizadores optaram por tornar o protesto apolítico e, em vez de darem voz aos políticos da oposição, deram destaque a alguns dos trabalhadores que mais sofrem com as restrições adotadas para impedir a propagação do novo coronavírus.

Os manifestantes pediram benefícios imediatos para os trabalhadores independentes e para os setores e indústrias mais duramente atingidas pela pandemia, e discordaram do plano económico anunciado pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, na quinta-feira, que, entre outras medidas, prolonga os subsídios especiais de desemprego até junho de 2021 e prevê apoios para as pequenas e médias empresas.

Os números do desemprego, que subiram de 4% para quase 25% devido à primeira vaga de covid-19 no país, caíram acentuadamente durante a rápida recuperação, em maio, mas voltaram a subir nas últimas semanas devido às novas medidas, ultrapassando 20% (cerca de 850.000 trabalhadores) esta semana.

Foi precisamente a rápida contenção da pandemia que, segundo os especialistas e até o primeiro-ministro deu origem à segunda vaga, que levou o país a registar há vários dias mais de 1.000 novos casos de infeção diários e elevou o número de infetados para 37.464, com um total de 354 mortes.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 561 mil mortos e infetou mais de 12,58 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Football news:

One Barca player among those starting the pre-season has contracted a coronavirus
Malinovsky settled in Italy: after the quarantine, he scored against Lazio and Juve, ahead of Mertens, Higuain and De Ligt in the ranking of the best players in Serie A
City are ready to give Coulibaly a 5-year contract with a salary of 10 million euros. Napoli wants 80 million for him^. Manchester City are working on the transfer of defender Kalidou Coulibaly from Napoli
PSG have a lot of injuries before the Champions League (even Tuchel!). Kerer broke his ear, but Mbappe is recovering furiously
Manchester City can join the fight for Tiago. Liverpool are still Interested in the player
Fomin about career abroad: I don't plan so: in 20 — FNL, in 22 — RPL, in 24 — Europe. I move step by step
Mendes suggested Manchester United's Fati as an alternative to Sancho. Barcelona will not sell the midfielder and will extend his contract