logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Portugal

Pompeo diz que reunião com Netanyahu foi "produtiva"

"Netanyahu e eu tivemos outra reunião produtiva esta noite em Lisboa. Debatemos os esforços para contrariar a influência desestabilizadora do Irão na região, a importância da cooperação económica com os parceiros regionais e outras questões relacionadas com a segurança de Israel", referiu Mike Pompeo, numa mensagem divulgada na rede social Twitter.

Já o primeiro-ministro israelita elogiou hoje em Lisboa as sanções dos Estados Unidos contra o Irão e disse que a pressão financeira fez aumentar os protestos contra a influência de Teerão no Médio Oriente, pedindo medidas mais duras.

Ao pronunciar-se ao lado do secretário de Estado norte-americano, antes do encontro dos dois em Lisboa, Netanyahu disse que o Irão era o primeiro, o segundo e o terceiro assunto a colocar.

"Enquanto falamos, o Irão está a incrementar a sua agressão", acusou, acrescentando: "Estamos ativamente envolvidos em contrariar essa agressão".

Pompeo e Netanyahu cruzaram-se e cumprimentaram-se no 'hall' de um hotel do centro de Lisboa às 18:27, seguindo para uma sala próxima onde estavam os jornalistas que acompanharam as viagens para Lisboa do secretário de Estado norte-americano e do primeiro-ministro israelita e uma 'pool' de jornalistas designados por 'media' internacionais, que não integrou qualquer órgão de imprensa português.

Israel considera o Irão o seu principal inimigo, referindo-se ao seu envolvimento na vizinha Síria, e no apoio a grupos militares na região do Médio Oriente e do Golfo Pérsico. Israel também acusa o Irão de pretender dotar-se de uma bomba nuclear, uma acusação negada pelos iranianos.

Nas últimas semanas, a forças iranianas, de acordo com diversas organizações não-governamentais, mataram cerca de 200 pessoas em manifestações contra o aumento do preço dos combustíveis. Os protestos também alastraram a governos pró-iranianos no Líbano e Iraque, forçando à demissão dos respetivos primeiros-ministros.

Themes
ICO