logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Portugal

Portinho de Angeiras põe passadiço em risco

Parte do passadiço da praia de Angeiras, Matosinhos, está em risco devido à erosão costeira provocada pela construção do portinho de pesca, em curso.

"Estes impactes estavam previstos. Já começa a haver alteração na dinâmica costeira e é importante que se apliquem as medidas de mitigação, como a reposição de areias, para não deixar escalar esta situação", disse ao CM Humberto Silva, fundador da Associação Década Reversível (ADERE).

"A estrutura base do molhe de abrigo já está concluída e a areia começa a desaparecer, até que a erosão estabilize. É preciso monitorizar bem os impactes negativos para os mitigar e para não criar problemas noutros lados", referiu Humberto Silva. "Uma intempérie mais grave poderá por em causa a estrutura do passadiço", concluiu.

O PSD considera que "a orla marítima de Matosinhos está a saque e não há quem faça estudos coordenados". Bruno Pereira refere, além da erosão costeira em Angeiras, a construção de um hotel na praia da Memória, Perafita, e o prolongamento do quebra-mar de Leixões, "cujo pai foi Matos Fernandes, ex-administrador da APDL e atual ministro do Ambiente.

O portinho de Angeiras, reclamado há décadas, tem cerca de 448 metros de comprimento e começou a ser construído em 2017, com um investimento total de 4,7 milhões de euros, financiado pelo Programa Operacional Mar 2020. O quebra-mar está em construção desde julho de 2018, sendo que a empreitada tem um prazo de execução de 18 meses, incluindo seis meses de paragem de inverno.

A Câmara de Matosinhos aproveitou para renovar o mercado de Angeiras.

Themes
ICO