logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Portugal
An article was changed on the original website

Prof. Passos Coelho na perspetiva Gabriel Alves

Para as pessoas da minha geração, Gabriel Alves era uma presença constante aos domingos à noite quando apresentava o – preparem-se para o escândalo – único programa de futebol da semana que – o escândalo não acaba – era efetivamente sobre futebol, embora com algumas referências a outros desportos. O que Gabriel Alves tinha de notável e raro era o fato de se assumir como um jornalista que comentava aquilo que lhe aparecia à frente e, talvez por isso, começava muitas frases com “se por um lado…” e dava sempre a outra perspetiva com “…por outro lado…”.

A polémica em torno do Prof. Catedrático Convidado Pedro Passos Coelho, que não é uma polémica sobre o Prof. Catedrático Convidado, mas sim porque é Pedro Passos Coelho, funcionou, na minha pouco humilde opinião, para puxar todo o tipo de disparate. E isto foi extraordinariamente positivo. Uns pró, outros contra, mas muito pouco na perspetiva Gabriel Alves de que, se por um lado há razões, por outro também as há. E a minha perceção do chorrilho de disparates é que houve muito pouco entendimento das razões contrárias e que no fim levará a conclusão mais óbvia de tudo isto: “porque não?”.

Por um lado, Pedro Passos Coelho (PPC) foi primeiro-ministro da República Portuguesa naquele que foi um dos períodos mais desafiantes de toda história do Estado, tentando gerir a coisa pública, com um Estado inteiro hostil ao programa de recuperação que toda a gente assinou, mas que ninguém quis cumprir. A começar no Presidente da República Cavaco Silva e a acabar na senhora da repartição de finanças de Vila Real de S. António. Programa de recuperação esse sem o qual nenhum dos personagens acima indicados receberia hoje qualquer tostão no fim do mês, mas que todos contribuíram para que não fosse cumprido nos seus pontos essenciais e que tinha implicações óbvias na sua remuneração mensal. Face a isto, não há em todo o país ninguém, sublinho, ninguém que possa ensinar “Ciência Política”, seja lá o que isso for, melhor que PPC porque ninguém, mais uma vez, pode apresentar num currículo “ah, já agora, salvei um Estado que não merecia ser salvo”.  O grosso da ironia está no facto de boa parte dos opositores à contratação de PPC para o ISCSP lhe deverem hoje o seu salário, porque não ouvi nenhuma crítica à contratação de quem não fosse pago pelos meus impostos. O reverso já não é verdade, ouvi de muito professor do Estado elogios a esta contratação.

Ainda olhando deste lado, uma das críticas que se ouvia era a falta de graus académicos que justificassem a sua contratação como professor. Esta era claramente a mais estúpida de todas as razões, porque se estamos a falar de política e de economia pública, diria que ser primeiro-ministro de um estado falido a viver da caridade alheia supera bem a elaboração de teses e papers. Aqui, o mundo académico, particularmente o mais ligado às “humanidades”, cobriu-se do mais intenso ridículo, mesmo aquele habituado a dizer que a Autoeuropa não tem valor porque monta tudo. O que, diga-se, foi uma obra em si mesmo! E mesmo isto, devemos ver numa perspetiva Gabriel Alves: se por um lado cobre o país de vergonha; por outro afasta os nossos filhos dessas escolas e isso, no fim do dia, já é muito positivo. Aqui, mais uma vez, também houve academia ligada às “humanidades” que não se portou de forma ridícula e temos que reconhecer isso.

Por outro lado, ser professor implica ensinar aquilo com que se concorda e aquilo com que não se concorda. Se fosse Física não nos passava pela cabeça que a pessoa que tinha desenhado um reator de fusão nuclear fria (coisa complicada…) não soubesse de mecânica newtoniana (coisa antiga…). Mas isto é outra coisa, não tem essa carga científica, apesar do nome. O curso não é para ensinar a ser PPC. Esse já existiu e existe. O curso serve para educar pessoas no que às ações de PPC diz respeito, mas também no que diz respeito às ações de outras pessoas que se opunham. E se podemos admitir que PPC é uma pessoa particularmente bem posicionada para o ensinar, também é verdade que lhe falta – ainda, diria eu – a estaleca de ensinar aquilo com que não concorda.  A sua entrada como Professor Catedrático Convidado traz, naturalmente, um considerável desrespeito pelos fundamentos teóricos daquilo que vai ensinar porque se está a determinar que entra pelo topo da carreira, isto é, há muito pouco que PPC possa aprender para que seja competente para ensinar aos outros. E isto não é objetivamente verdade.

Ainda olhando deste lado, as críticas que se ouvia aos académicos que se opunham era que viviam fechados na academia, sem qualquer experiência do mundo exterior e ainda tinham a “lata” de criticar a contratação. E esta pareceu-me a mais estúpida das razões do lado dos defensores. Um académico deve ser excelente naquilo que é a teoria daquilo que ensina. Claro que ter experiência parece-me uma mais-valia, como parecerá a qualquer pessoa. Mas está longe de ser fundamental. Aliás, se estamos a falar de política, isso implicaria que os professores de política fossem todos políticos. E nós, na nossa história, tivemos tanto sucesso com professores universitários como chefes de governo, que a simples sugestão de que é bom ter um professor universitário como primeiro-ministro devia dar logo direito a dez reguadas e orelhas de burro.

Aqui até posso dar a minha visão pessoal: tenho 25 anos de experiência profissional, licenciatura, mestrado, doutoramento e só se alguém fosse maluco faria de mim professor catedrático porque não tenho qualquer treino a ensinar coisas com que não concordo. Tenho ainda muito que aprender para o poder fazer. Por isso, as críticas à contratação, pelo menos as decentes, fazem algum sentido.

Agora temos as condicionantes e a envolvente externa. Por um lado, podia PPC ser contratado como professor com um ordenado digno de um ex-primeiro ministro se não fosse Professor Catedrático? Pois, se calhar não. Por outro lado, porque carga de água um ex-primeiro ministro tem direito a um “ordenado digno” e os outros “ex-qualquer coisa” não têm? E se pagassem menos, poderia ir dar aulas para outro sítio e a escola tomou uma boa decisão de gestão? Outro fator apontado pelos defensores era a quantidade já existente de ex-governantes na mesma situação “académica”. Que, se por um lado podemos ver como positiva a absorção de experiências; por outro lado também pode sugerir que a academia se tornou um “dumping site” de políticos afastados.

A perspetiva Gabriel Alves tem, assim, grandes vantagens. A primeira é que, pesando as coisas de um lado e de outro, valorizamos mais corretamente os ativos em jogo. Quer o conhecimento acumulado de PPC, que é valiosíssimo, quer a importância de uma academia rigorosa. E isto implica o reconhecimento de que as coisas com que concordamos têm que ser apresentadas como aquelas com que não concordamos a quem ainda não começou o seu caminho.

A segunda é que tiramos valor aos passivos em jogo. A maior parte do diálogo gerado publicamente com tudo isto revelou que a academia tem peças que não deveriam lá estar – pelo menos naquilo que o contribuinte paga – e que tem peças muito importantes para a sua valorização.

Finalmente, traz-nos aquilo que é a conclusão óbvia. O homem não vai passar receitas, nem assinar projetos de pontes. Porque não?

(As opiniões expressas neste artigo são pessoais e vinculam apenas e somente o seu autor)
PhD em Física, Co-Fundador da Closer, Vice-Presidente da Data Science Portuguese Association

Themes
ICO