logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Portugal

"Impacto negativo das taxas de juro" na banca vai continuar

Segundo o relatório "Banca europeia: temas-chave em 2020", hoje divulgado pela DBRS, "com o crescimento dos ativos provavelmente em estagnação em 2020, o impacto negativo das taxas de juro ultrabaixas nas receitas vai continuar".

Destacando que "os bancos europeus têm operado num ambiente de taxas de juro ultrabaixas desde 2014", a DBRS assinala também que as instituições de crédito "têm passado as taxas negativas para depositantes corporativos" e "não é ainda claro como é que isto poderá impactar a relação com os clientes".

A DBRS prevê que "a pressão nos rendimentos líquidos de juros dos empréstimos deverá continuar, dadas as recentes decisões do BCE [Banco Central Europeu] sobre as taxas de juro", pois na zona euro "o BCE cortou as taxas de juro nos depósitos para um recorde de -0,5% em setembro de 2019" e "não há sinal no horizonte de um regresso a taxas de juro positivas".

"As prolongadas taxas negativas na zona euro estão a colocar novos desafios em termos de gestão de ativos e passivos, como é demonstrado por um maior número de bancos que começaram a passar as taxas negativas a depositantes de retalho", como é o caso do Unicredit, ABN Amro, Deutsche Bank e Bankia, numa medida que na maioria dos casos afeta depositantes acima dos 100.000 euros, indica a DBRS.

A agência de 'rating' canadiana considera que, "dado o difícil ambiente nas receitas, será fulcral para os grandes bancos europeus reduzir ainda mais os custos operacionais, mas mantendo os investimentos necessários para abordar a crescente concorrência e requerimentos regulatórios e de 'compliance' [conjunto de disciplinas a fim de cumprir e se fazer cumprir as normas legais e regulamentares]".

A DBRS destaca que desde 2013 até ao 3.º trimestre de 2019 "houve aproximadamente uma descida de 2,0% no número médio de empregados" na banca nos principais países europeus, apesar da "atividade em fusões e aquisições em alguns bancos ter levado a um aumento de empregados".

"Em particular, em Espanha, o número de empregados aumentou no Sabadell, Santander e CaixaBank como resultado de grandes aquisições, como o TSB em 2015, o Banco Popular em 2017 e o Banco BPI em 2017, respetivamente", assinala a agência.

A DBRS observou que, "desde a crise financeira, muitos grandes bancos na Europa fizeram esforços materiais para potenciar a eficiência operacional, mas, no entanto, as poupanças atingidas através de reduções no pessoal e redes de agências otimizadas ou centralização de 'backoffice' tendem a ser contrabalançadas com custos adicionais ligados a investimentos na digitalização e a abordar a concorrência das 'Fintech' [empresas financeiras tecnológicas], bem como os custos regulatórios, de 'compliance' e de reestruturação".

"Esperamos que os grandes bancos europeus continuem a reduzir custos operacionais", declarou a DBRS no relatório, assinalando a redução de 18.000 empregados do Deutsche Bank até 2022, de 4.000 do Commerzbank até 2023, e de mais de 3.000 no Santander.

A DBRS vê também "riscos operacionais" para a banca em 2020, relacionados sobretudo com "lavagem de dinheiro e violação de sanções", bem como "ciberataques e fugas de dados".

A agência espera também "que os modelos de regulação para os bancos europeus encorajem ainda mais a contribuição para objetivos de desenvolvimento sustentável e para a gestão de riscos ambientais, sociais e de governança".

A DBRS destaca ainda que o crédito malparado "vai continuar a descer graças a medidas governamentais, nomeadamente com Portugal e a Grécia destacados numa redução ainda maior dos empréstimos não produtivos em 2020".

Themes
ICO