logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Portugal

Rússia e Sérvia reforçam cooperação energética e militar

Após receber o seu homólogo sérvio Aleksandar Vucic na estância balnear de Soshi, Mar Negro, o presidente russo Vladimir Putin disse que o fornecimento de gás natural ao país dos Balcãs foi um dos assuntos abordados.

Putin disse que a Rússia pretende continuar a canalizar gás em direção à Europa central e do sudeste através da Ucrânia, mas referiu que até ao momento Kiev propôs condições inaceitáveis para o seu trânsito. No entanto, disse esperar que a Rússia e a Ucrânia alcancem um compromisso.

Vucic sublinhou que os dois países mantêm uma "excelente" cooperação militar, e que a Sérvia aguarda a entrega de novas remessas de armamento russo.

O líder sérvio assinalou ainda que a campanha de bombardeamentos da NATO contra a Sérvia, justificada pela "guerra do Kosovo", teria sido impossível caso Putin já estivesse em funções no Kremlin.

Numa referência à atual situação regional, Vucic considerou não existirem atualmente condições para resolver as divergências entre o seu país e o Kosovo, e manifestou "pouco otimismo" sobre o processo de normalização das relações entre Belgrado e Pristina, atualmente bloqueado.

"Não sou otimista sobre [a possibilidade de] alcançar uma solução definitiva em termos de um compromisso entre Belgrado e Pristina", assinalou no início do encontro, citado pela agência noticiosa Interfax.

As negociações entre as duas partes, num processo mediado pela União Europeia, estão paralisadas desde há um ano devido à decisão do ex-primeiro-ministro kosovar, Ramush Haradinaj, em impor uma taxa de 100% sobre os produtos provenientes da Sérvia. O Kosovo, ex-província do sul da Sérvia com maioria de população albanesa, autoproclamou a independência em 2008.

Na terça-feira, durante uma deslocação a Belgrado, o Presidente da Bielorrússia Alexander Lukashenko defendeu o reforço dos laços da Sérvia com o bloco económico liderado pela Rússia, apesar das pretensões do país balcânico para garantir a adesão plena à União Europeia (UE).

No decurso de uma conferência de imprensa conjunta com Vucic, o chefe de Estado bielorrusso, um aliado da Rússia, referiu respeitar os objetivos da Sérvia face à UE, mas considerou que caso o bloco comunitário prossiga com a sua política de "ultimatos", a Sérvia deverá apontar para a União Económica da Eurásia (UEE).

A UEE integra a Rússia, Arménia, Bielorrússia, Cazaquistão e Quirguistão.

A França lidera um grupo de países da UE que defende uma reforma no processo de adesão de novos membros, incluindo a reversibilidade do processo, e que coloca num limbo as esperanças de uma integração da Sérvia e de outros países dos Balcãs ocidentais.

A decisão fez aumentar os receios sobre um reforço da influência da Rússia e da China na região, que atravessou uma guerra fratricida na década de 1990 na sequência da implosão da Jugoslávia federal.

A Sérvia, o país dos Balcãs que mantém relações mais próximas com a Rússia, assinou recentemente um acordo de comércio livre com a UEE apesar das advertências da União Europeia de que poderia comprometer as esperanças de adesão plena ao bloco comunitário.

Themes
ICO