Portugal

“Salvo pelos fructos”: a história de uma utopia vegetariana portuguesa

Quando o passado é desconhecido, é bastante possível que seja tão ou mais moderno do que o presente. Somos o fruto da lembrança. O esquecido passa a não existir, até que alguém nos cure de uma amnésia coletiva. Foi esse o trabalho de arqueologia, iniciado em 2016, quando uma equipa multidisciplinar composta por 27 investigadores e liderada por Fátima Vieira, vice-reitora da Universidade do Porto e especialista em Utopias, se deparou com a “Irmânia”, de Ângelo Jorge, uma obra publicada em 1912 e ignorada da literatura portuguesa.

“É uma utopia vegetariana”, que “acreditava na transformação moral da sociedade através da alimentação”, em que “toda a gente tem uma vida muito longa e feliz, numa sociedade sem qualquer problema económico ou social”, explica ao Expresso a coordenadora científica do projeto “Alimentopia”.

As raízes do vegetarianismo — ou melhor, do frugivorismo — em Portugal são bem mais antigas do que se julgava. “Esta comunidade associava, seguindo o pensamento de Tolstói, o consumo de carne à violência”, contextualiza Fátima Vieira. Recuando ainda mais no tempo, a especialista evoca grandes intelectuais e filósofos que tinham sido vegetarianos, como Platão, Rosseau ou Voltaire.

Ligado ao estilo de vida e à filosofia naturista, o regime alimentar era apresentado, prossegue a pesquisadora, como “solução para todos os males da sociedade” e como uma atitude política opositora à lógica capitalista, uma vez que “se as pessoas comessem apenas fruta da época, não precisavam de gastar dinheiro na alimentação”.

Um jornal, um hotel e o primeiro casamento sem despojos cadavéricos

Em 1909, é fundado o jornal “O Vegetariano”, publicado mensalmente durante 26 anos. Nasceu no Porto, durante o último suspiro da monarquia, atravessou a agitação da Primeira República e começou a definhar com a censura da Ditadura Militar e do Estado Novo. O ponto final seria colocado, em 1935, com a morte do proprietário Manuel Teixeira Leal, depois de 280 edições.

“O Vegetariano” foi o grande propulsor da expansão do naturismo e do vegetarianismo em Portugal, chegando às casas de 3800 famílias

“O Vegetariano” foi o grande propulsor da expansão do naturismo e do vegetarianismo em Portugal, chegando às casas de 3800 famílias

D.R.

Após dois anos do lançamento do periódico, é fundada a Sociedade Vegetariana de Portugal, entidade que adota “O Vegetariano” como órgão oficial de difusão. Entre os vários anúncios, um dava conta do “primeiro casamento frugívoro do mundo, no qual não foram servidos quaisquer despojos cadavéricos”.

Em 1914, quando nem a eclosão da Primeira Guerra Mundial travou o crescimento do número de leitores, o jornal contava já com mais de 3800 subscritores, de norte a sul do país, chegando inclusivamente às antigas colónias ultramarinas, ao Brasil e até mesmo à China. Nesse mesmo ano, “O Vegetariano” alarga a sua influência e torna-se no meio oficial da Sociedade Vegetariana do Brasil.

“Era sobretudo uma comunidade leitora e é isso que a distingue em relação àquilo que acontecia com os vegetarianos no resto do mundo”, enaltece Fátima Vieira. Isto permite traçar um perfil sócio-económico destes frugívoros ancestrais, provenientes de uma classe burguesa, conhecedora das principais correntes de pensamento que proliferavam na Europa.

Eram sobretudo comerciantes e industrais, mas também desportistas se rendiam a este novo menu. “É recorrente, mesmo nas revistas estrangeiras, esta ideia de que os atletas conseguem obter toda a energia de que precisam através da fruta”, refere a académica. “Esse era o conhecimento na altura, porque sabemos agora, através dos nossos colegas de Ciências da Nutrição, que aquelas tabelas nutritivas não estavam absolutamente corretas”, nota a responsável da Alimentopia.

Idilio da Conceição era um dos muitos atletas convertidos ao naturismo

Idilio da Conceição era um dos muitos atletas convertidos ao naturismo

D.R.

O objetivo era claro: “mostrar que as pessoas vegetarianas, vegetalistas ou frugívoras podiam ser fortes”, bastava seguir, por exemplo, os conselhos vertidos nos artigos do médico Amílcar de Sousa, que até dava consultas de nutrição por correspondência.

Os testemunhos dos leitores chegavam às centenas, relatando as melhorias “milagrosas” logradas com os novos princípios dietéticos. “Chegavam cartas de todo o mundo. De países como a Suíça, França, Inglaterra e até uma dos Estados Unidos, escrita por Will Keith Kellogg — naturista e fundador dos cereais Kellogg’s —, onde agradecia o envio de alguns exemplares de ‘O Vegetariano’ e prometia traduzir para inglês alguns dos artigos”, revela Fátima Vieira.

De Lisboa chegava o entusiasmo de Bjorne Wiborg, descrito como o “inventor do frugivorismo” em Portugal. Endereçava à redação do jornal o relato da vida naturista e o regime frugívoro dos filhos: a mais velha falava seis idiomas e o do meio já era fluente em quatro línguas com apenas nove anos. Tudo isto era por ele atribuido aos benefícios de uma dieta à base de pêras, laranjas, avelãs e figos servida duas vezes por dia, aliada ao exercício físico, assim como aos banhos de ar e de sol.

Imagens de crianças naturistas apareciam, de forma recorrente, nas várias edições de "O Vegetariano", com o propósito de fazer propaganda aos benefícios da dieta

Imagens de crianças naturistas apareciam, de forma recorrente, nas várias edições de "O Vegetariano", com o propósito de fazer propaganda aos benefícios da dieta

D.R.

É também na Invicta que, em 1913, no número 26 da rua dos Caldeireiros abre portas o “Hotel Vegetariano - Pensão Naturista”, o primeiro estabelecimento hoteleiro dedicado àquela comunidade, dotado de 25 quartos “bem arejados”.

No mesmo ano, o Restaurante Fruti-Vegetariano começava a servir, na Rua Sá da Bandeira, café sem cafeína e vinho sem álcool. Espaços sememelhantes começavam a brotar um pouco por todo o país, como a “Maison Végétarienne” no número 100 da Avenida da Liberdade, em Lisboa, ou a pensão naturista “Casa das Boas Frutas” em Espinho.

Anúncio da abertura do primeiro hotel vegetariano em Portugal

Anúncio da abertura do primeiro hotel vegetariano em Portugal

D.R.

Como se perdeu esta herança coletiva? “O que aconteceu é que este conjunto de indivíduos tão dinâmicos foram contrariados na sua utopia quando começa o Estado Novo”, recorda a vice-reitora da Universidade do Porto. “Não temos informações sobre repressão direta, mas sabemos que, a partir de 1928, os números de ‘O Vegetariano’ têm um carimbo a dizer ‘visado pela censura’. Era escrutinado tudo aquilo que era publicado. Quando chegamos à última edição, em 1935, já não reconhecemos ‘O Vegetariano’. Era já uma revista que dava conselhos sobre horticultura, exercício, vida ao ar livre e abandonou por completo a aspiração de transformar a sociedade”, completa a investigadora.

O regresso a um passado esquecido poderá agora ser feito por todos, através da exposição “Pêros, Avelãs e Figos. Os vegetarianos utópicos de há 100 anos”. A mostra dá a conhecer os resultados desta investigação e é inaugurada esta quinta-feira, pelas 18h, na Galeria da Casa Comum da Reitoria da Universidade do Porto. “Vai ser uma surpresa para a maior parte das pessoas descobrir o nosso passado vegetariano”, promete Fátima Vieira.