Portugal

Tomada de posse de Embaló na Guiné-Bissau "é golpe"

Candidato do Madem-G15 quer tomar posse como presidente hoje num hotel de Bissau, sem esperar por validação do Supremo Tribunal.
Umaro Sissoco Embaló, candidato dado como vencedor da segunda volta das presidenciais da Guiné-Bissau pela Comissão Nacional de Eleições, garantiu que vai tomar posse esta quinta-feira num hotel de Bissau, apesar de os resultados ainda não terem sido confirmados pelo Supremo Tribunal de Justiça. O primeiro-ministro Aristides Gomes diz que se trata de um "golpe de Estado".

A candidatura de Embaló confirmou ontem que a cerimónia de tomada de posse está marcada para as 10h30 no Hotel Azalai, na capital guineense, "depois de esgotadas todas as diligências políticas e constitucionais", numa referência ao apuramento nacional que decorreu terça-feira na Comissão Nacional de Eleições e que confirmou a vitória do candidato do Madem-G15. Embaló optou por uma unidade hoteleira "devido à má vontade" do presidente do Parlamento, Cipriano Cassamá, que recusou autorizar a cerimónia sem o aval do Supremo Tribunal de Justiça.

Domingos Simões Pereira, o candidato derrotado por Embaló e que ontem apresentou novo recurso na Comissão de Eleições, considerou que, se Embaló tomar posse hoje, "estará a confrontar as Leis da República, os órgãos de soberania e a ordem internacional", enquanto o PM Aristides Gomes diz que se trataria de uma "tentativa de golpe de Estado". *com agências
Ver comentários