logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Portugal

UE, Japão e Estados Unidos reivindicam mudanças da China no comércio mundial

Representantes da União Europeia (UE), Japão e Estados Unidos estiveram esta terça-feira reunidos, em Washington, para discutir as relações comerciais, tendo reivindicado regras mais apertadas para subsídios industriais e contra a transferência forçada de tecnologia, numa clara alusão à China.

Num comunicado divulgado por Bruxelas após o encontro -- no qual participaram o comissário europeu para o Comércio, Phil Hogan, o representante dos Estados Unidos para esta área, Robert E. Lighthizer, e ainda o ministro do Comércio do Japão, Hiroshi Kajiyama -- lê-se que "representantes da UE, dos Estados Unidos e do Japão chegaram esta terça-feira a acordo para reforçar as regras existentes em matéria de subsídios industriais e condenaram as práticas de transferência forçada de tecnologia", nomeadamente no âmbito da Organização Mundial de Comércio (OMC).

Sem nunca mencionar a China -- que tem sido acusada de atribuir subsídios industriais a companhias chinesas para favorecer a sua posição noutros mercados e de forçar o acesso a determinadas tecnologias no país -- o comunicado dá conta do consenso entre estas potências de que as regras existentes na OMC para limitar estas práticas são "insuficientes para as combater".

De acordo com a nota, os três representantes "concluíram, por isso, que os novos tipos de subsídios incondicionalmente proibidos têm de ser acrescentados ao protocolo da OMC sobre este tipo de apoios e medidas compensatórias".

No encontro, Phil Hogan, Robert E. Lighthizer e Hiroshi Kajiyama reafirmaram também "a importância das transferências de tecnologia para o comércio e investimento globais", tendo falado em "possíveis regras fundamentais a serem introduzidas para evitar práticas forçadas".

Antevendo a conferência ministerial da OMC, que decorre em meados deste ano, os três responsáveis mostraram-se ainda alinhados em "pressionar os membros [...] que reivindicam o estatuto de país em desenvolvimento para assumir em pleno os seus compromissos", atingindo novamente a China, que se tem designado desta forma dentro da organização desde a sua adesão.

UE, Japão e Estados Unidos acordaram, ainda, com uma reforma da OMC e com novas regras para o comércio eletrónico.

Citado pela nota, o comissário europeu Phil Hogan classifica este encontro como um "passo importante" para abordar "algumas das questões fundamentais que distorcem o comércio mundial".

Themes
ICO