Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

A Europa está a perder competitividade face aos EUA?

A maioria dos CEOs de um grupo influente de empresas europeias diz que planeia aumentar a sua presença nos Estados Unidos devido às a preocupações crescentes com a perda de competitividade da Europa.

Cerca de 57% dos chefes corporativos de multinacionais europeias estão de olho na mudança de investimentos ou operações – ou ambos – através do Atlântico nos próximos dois anos, de acordo com uma pesquisa da “European Round Table for Industry and the Conference Board”. Citada pela Bloomberg.

A grande maioria dos entrevistados – mais de 80% – disse acreditar que a Europa está a perder competitividade na indústria, pois o continente sofre riscos geopolíticos, inflação e custos de energia, além de escassez de mão de obra qualificada e interrupções na cadeia de abastecimentos.

A invasão da Ucrânia pela Rússia exacerbou um difícil ambiente de negócios na Europa, marcado por um menor crescimento da produtividade. Mais de dois terços dos entrevistados consideraram negativo o impacto das atuais tensões geopolíticas nas perspectivas de negócios de suas empresas.

“Os esforços da Europa para restaurar a sua competitividade são mais desafiadores do que nunca devido a um ambiente geopolítico instável, altos preços de energia em comparação com os níveis anteriores a 2019, inflação crescente, condições de financiamento mais apertadas e custos recordes de insumos”, diz o estudo citado pela Bloomberg.

Os CEOs europeus estão levemente otimistas sobre a atual situação económica, mas apenas um quarto continua otimista sobre os próximos seis meses.

A “European Round Table” (ERT) reúne cerca de 60 responsáveis de empresas das principais multinacionais europeias. Um total de 56 CEOs da ERT responderam em abril à Pesquisa de Confiança do CEO para a Europa, realizada com o Conference Board, um grupo de pesquisa de negócios.

“Os resultados da pesquisa são evidências claras e urgentes de que o futuro da Europa como líder para a indústria está em risco”, disse Martin Brudermüller, CEO da BASF SE e presidente do comitê de competitividade da ERT. “As tensões geopolíticas estão tendo enormes repercussões – e nós, na Europa, estamos no meio disso.”

Por outro lado, como reportamos no Portal de Angola, alguns Estados-Membros da EU estão preocupados com o ritmo acelerado das reformas para a transição climática, alegando que os custos são demasiado elevados para a economia dos países.