Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Angola prevê mais cortes nas taxas de juros à medida que a inflação desacelera

De acordo com a agência de notícias Bloomberg, O banco central de Angola está preparado para cortar ainda mais as taxas de juros este ano, à medida que a inflação esfria no país africano produtor de petróleo.

O Banco Nacional de Angola reduziu a taxa de referência para 17% de 18% em março, a segunda queda em 2023. A redução dos custos de empréstimos torna Angola um caso atípico na África – é um dos dois únicos países do continente a reduzir as taxas este ano, enquanto que outros países, da Nigéria ao Marrocos e ao Quênia, lutam para controlar a inflação.

“Temos espaço para continuar reduzindo as taxas de juros sem criar nenhuma situação em que a meta de inflação seja perdida”, disse o governador do banco central José de Lima Massano em entrevista quinta-feira em Washington, onde participa das reuniões de primavera do Fundo Monetário Internacional. Se a inflação desacelerar ainda mais, “provavelmente estaremos encerrando o ano com a taxa básica de juros em torno de 15%”, afirmou.

A inflação anual em Angola, um dos maiores produtores de petróleo da África, diminuiu pelo 14º mês consecutivo em março para 10,8%. O banco central prevê um crescimento anual dos preços de 9% a 11% em dezembro.

Massano disse que os riscos de alta podem vir de um plano do governo para reduzir ou acabar com os subsídios aos combustíveis este ano, das mudanças climáticas que estão afetando a produção local de alimentos – um componente-chave no índice de preços ao consumidor de Angola – e da volatilidade nos mercados de petróleo.

Os preços mais altos do petróleo ajudaram a impulsionar as exportações angolanas e a estabilizar o valor do kwanza em relação ao dólar, auxiliando os esforços do banco central para reduzir a inflação.

“Os preços do petróleo são sempre críticos”, disse Massano, acrescentando que Angola depende do petróleo para cerca de 95% das suas exportações.

“Também estamos ansiosos para ver exatamente o que vai acontecer com os preços dos combustíveis” quando os subsídios forem removidos, disse ele. “Eu diria que essas são as questões críticas neste momento para nós.”

A ministra das Finanças angolana, Vera Daves de Sousa, disse em entrevista separada em Washington que o país está avançando com um plano para diversificar a economia do petróleo e reduzir sua dependência de importações como forma de conter a inflação. Angola era um grande exportador de alimentos na África antes da guerra civil de 1975-2002. Em 2021, a agricultura, silvicultura e pesca representaram apenas 7,9% do produto interno bruto, segundo dados do Banco Mundial.

“Estamos trabalhando muito para diversificar”, disse Daves de Sousa. “Ainda estamos importando muito e às vezes também importamos inflação com esses produtos.”

O governo procura atrair investimento estrangeiro direto através da venda de participações em dezenas de empresas estatais até 2026, incluindo no grupo petrolífero Sonangol e na empresa de diamantes Endiama, disse ela, sem dar detalhes.

“Já privatizamos 92 ativos e queremos privatizar mais 73”, disse Daves de Sousa. “Portanto, temos muitas oportunidades.”