Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Banco Africano de Desenvolvimento entra no Mercado de Trocas de Dívida por Natureza

O Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento está em negociações para apoiar uma nova troca de dívida por natureza, marcando a sua entrada num segmento em rápido crescimento do mercado de dívida sustentável.

“Estamos analisando uma transação [e] ainda discutindo os parâmetros”, disse Hassatou Diop N’Sele , vice-presidente de finanças e diretor financeiro do AfDB, em entrevista. Ela se recusou a identificar o país que iniciou o acordo por meio do qual refinanciaria a sua dívida em troca de alocar parte da economia para projetos verdes.

O AfDB, fundado em 1963 e com sede em Abidjan, Costa do Marfim, é um banco multilateral de desenvolvimento que fornece financiamento de projetos aos países membros. Embora as trocas de dívida por natureza envolvendo credores comerciais tenham sido implementadas até agora apenas na América Latina, os países africanos manifestaram interesse. Espera-se que o Gabão conclua em breve o primeiro acordo desse tipo no continente, e Gâmbia, Eswatini, Cabo Verde, e Quênia, entre outros, também indicaram o seu apoio.

Os países africanos têm “um caso muito bom” para usar os acordos financeiros, disse N’Sele. “O continente enfrenta vários desafios – aumento dos custos da dívida, uma enorme necessidade de financiamento climático e questões relacionadas à degradação da terra e perda de biodiversidade. Com trocas de dívida por natureza, é o começo de uma solução.”

Belize fez a primeira troca de dívida moderna em 2021 com seguro da US International Development Finance Corporation . Um acordo de Barbados recebeu garantias de reembolso de uma organização sem fins lucrativos, The Nature Conservancy , e do Banco Interamericano de Desenvolvimento , o primeiro multilateral a desempenhar esse papel. Desde então, o BID garantiu um terceiro acordo no Equador, o maior do mundo até agora.

O AfDB está agora disposto a oferecer garantias, disse N’Sele. “O objetivo final será ajudar a transação a alcançar a extensão de vencimento desejada e também uma redução do serviço da dívida geral”, disse ela.

A medida ocorre quando os países de baixa renda estão pressionando cada vez mais os bancos de desenvolvimento e credores dos países ricos para ajudá-los a enfrentar os desafios simultâneos da mudança climática, sobre-endividamento e crescentes taxas de pobreza.

As trocas de dívida por natureza tiveram destaque na cúpula de finanças climáticas do mês passado, co-organizada pelo presidente francês Emmanuel Macron e Mia Mottley , primeira-ministra de Barbados.

Artigo relacionado “Cimeira de Paris sobre o sistema Financeiro Global: Progressos modestos mais importantes” (clique aqui).

Mas há preocupações sobre os custos de transação associados aos acordos e seu impacto no mundo real nos ecossistemas e finanças dos países. Tem de ser em escala para fazer uma diferença real porque há muito trabalho” na estruturação de tais acordos e eles “podem ser caros.