Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Biden e democratas veem frustração de homens negros antes das eleições de 2024

Bahta Mekonnen, um capitão do Exército norte-americano de 28 anos, está entre os milhões de eleitores negros que ajudaram a entregar ao presidente Joe Biden a Presidência dos Estados Unidos em 2020.

Três anos depois, ele é um dos eleitores que os democratas temem que possa custar a Biden um segundo mandato em 2024.

Decepcionado com o que vê como uma guinada dos democratas para a esquerda, gastos sem limites e promessas vazias, mas também insatisfeito com a extrema direita entre os republicanos, Mekonnen diz que não vê nada além de opções ruins nas urnas para o ano que vem.

“O que estou percebendo no Partido Democrata agora é que há muita bajulação para a comunidade negra”, disse ele. “Parece que eles fazem muito para tentar fazer parecer que são o partido dos jovens negros ou dos negros como um todo, mas não mostram isso com nada.”

Por muito tempo o eleitorado democrata mais leal, os eleitores negros desempenharam um grande papel no resgate da campanha presidencial de 2020 de Biden nas primárias do partido e no envio dele à Casa Branca com maioria democrata no Senado, graças ao sucesso no Estado da Geórgia.

Em troca, muitos eleitores negros esperavam que Biden e os democratas promovessem novas proteções federais contra leis eleitorais locais restritivas, reforma policial e da Justiça criminal, alívio de dívidas de empréstimos estudantis e fortalecimento econômico.

Muitos desses esforços foram bloqueados pelos republicanos, deixando Biden pedindo aos eleitores que o permitam “terminar este trabalho”, com um segundo mandato, mas sem um caminho claro para realizar essas promessas.

Pesquisas e entrevistas da Reuters mostram que os eleitores negros mais jovens e os homens negros de todas as idades estão perdendo a fé nos democratas, em Biden e talvez até no processo político, apenas três anos após os maiores protestos nos Estados Unidos por justiça racial e direitos civis em uma geração.

Ainda se espera que a grande maioria dos eleitores negros, incluindo homens, escolha Biden em vez de um republicano.

Mas a questão para os democratas é se os eleitores negros desiludidos irão às urnas em um número suficiente em cidades cruciais, como Filadélfia, Atlanta, Milwaukee e Detroit, para manter Biden na Casa Branca.

Apesar da alta de 30% na população autoidentificada como negra desde 2000, a participação dos eleitores negros caiu quase 10 pontos percentuais, de 51,7% nas eleições de meio de mandato de 2018 para 42% em 2022, de acordo com uma análise do Washington Post da pesquisa do US Census Bureau divulgada neste ano. A participação dos eleitores brancos caiu apenas 1,5 ponto, para 53,4%.

Uma pesquisa Reuters/Ipsos realizada de 11 a 17 de julho descobriu que 18% dos negros norte-americanos escolheriam Trump em vez de Biden em um confronto hipotético, em comparação com 46% que favorecem Biden, incluindo cerca de um em cada quatro homens negros, em comparação com cerca de uma em sete mulheres negras.

“Parece que há coisas sobre as quais eles falam que parecem boas, com as quais posso me alinhar, como alívio de dívidas de empréstimos estudantis ou casa própria e todas essas coisas diferentes, mas talvez às vezes não pareça que está indo rápido o suficiente”, disse Julian Silas, de 25 anos, um analista de investimentos negro.

Por Trevor Hunnicutt e Jarrett Renshaw