Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

BRICS consideram candidatura de 20 países emergentes para se juntarem ao grupo

Os Ministros dos Negócios Estrangeiros do grupo BRICS reúnem-se na África do Sul nos dias 1 e 2 de junho para discutir questões geopolíticas urgentes, incluindo a primeira ampliação do bloco em mais de uma década, enquanto busca se posicionar como representante do “Sul Global” e fornecer um modelo alternativo para o G-7. Desde a sua formação em 2006, o agrupamento BRICS expandiu-se apenas uma vez, com a inclusão da África do Sul em 2011.

Na reunião na Cidade do Cabo, os ministros do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul discutirão os pedidos formais e informais de adesão de pelo menos 20 países e as modalidades para uma futura ampliação.

Proposta pela primeira vez pela China quando presidiu o grupo no ano passado, a expansão aumentaria a representação de países da África, América Latina, Oriente Médio e Ásia, com a lista de nações interessadas incluindo Egito, Nigéria, México, Irão, Indonésia, Turquia e outros. O Portal de Angola não conseguiu obter a lista completa dos países candidatos. Também não está claro se a lista de candidatos será publicada na reunião de Ministros dos Negócios Estrangeiros do BRICS.

O termo Sul Global refere-se a um agrupamento frouxo de cerca de 100 nações, muitas das quais estão em desenvolvimento e não estão alinhadas com nenhuma grande potência. Para muitos deles, as organizações multilaterais, como a ONU, podem compensar a pressão para se alinhar com os Estados Unidos ou a China em questões geopolíticas e preservar uma pequena esfera de autonomia política, protegendo-se contra os riscos de um cenário geopolítico e geoeconómico cada vez mais imprevisível.

É importante observar que a maioria dos países mencionados que buscam ingressar nos BRICS não são rivais do G7 e não se opõem à ordem internacional actual. Por outro lado, a expansão do BRICS levanta questões sobre o futuro papel do G-20.

Dito isso, é improvável que apenas a adição de novos membros permita ao BRICS contrabalançar efetivamente a ordem internacional liderada pelos Estados Unidos ou mesmo desafiar normas e princípios internacionais estabelecidos. A China não tem o mesmo peso de liderança dentro dos BRICS que os Estados Unidos têm dentro do G-7. O BRICS está também sob pressão do G-7 devido a invasão da Ucrânia pela Rússia.

Mas os BRICS poderão pesar mais em termos económicos. De acordo com algumas fontes, os membros do BRICS agora formam o maior bloco económico do mundo por paridade de poder de compra (PPP), com o grupo recentemente ultrapassando o G7 com uma participação de 31,5% no PIB mundial (PPP) em comparação com 30,7% para este último.

No entanto, como já tivemos a oportunidade de escrever aqui no Portal de Angola, parece improvável que os membros do BRICS consigam pressionar por um mundo não denominado em dólares tão cedo.

A crescente diversidade do bloco em sistemas políticos e económicos também pode significar que o consenso sobre questões-chave pode ser muito mais difícil de alcançar do que no G7, exclusivamente formado por países desenvolvidos com alianças sólidas.