Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Combates abalam capital do Sudão e moradores tentam fugir

Moradores da capital do Sudão relataram novos disparos pesados nesta quinta-feira, enquanto milhares tentavam fugir dos combates que mataram dezenas de civis, antes do feriado de Eid, que marca o fim do mês sagrado do Ramadã.

Cartum e suas cidades irmãs Omdurman e Bahri, uma das áreas urbanas mais populosas da África, foram abaladas por batalhas nesta semana entre o Exército e as paramilitares Forças de Apoio Rápido (RSF). Moradores e milhares de estrangeiros estão presos e os suprimentos de comida estão acabando.

A fumaça espessa e as explosões dos dias anteriores diminuíram na manhã desta quinta-feira, mostraram as transmissões de TV de Cartum, antes que os combates voltassem a acontecer.

Tiros foram ouvidos em Bahri e moradores relataram confrontos a oeste de Omdurman, onde disseram que o Exército se moveu para bloquear a chegada de reforços da RSF, depois que ambos os lados violaram um cessar-fogo de 24 horas que disseram que respeitariam a partir de quarta-feira.

A RSF emitiu um comunicado dizendo que foi atacada em Omdurman e infligiu perdas ao Exército em resposta, incluindo o abate de dois helicópteros. A Reuters não pôde verificar de forma independente as alegações da RSF.

O Exército tem artilharia e aviões de combate e controla o acesso a Cartum. Parecia estar tentando cortar as rotas de abastecimento para os combatentes da RSF, disseram moradores e testemunhas.

Milhares de pessoas estavam deixando a capital, com a maioria apta a passar, mas algumas pararam em postos de controle, segundo moradores e postagens nas redes sociais.

“Não há comida, os supermercados estão vazios, a situação não é segura, honestamente, então as pessoas estão indo embora”, disse um morador de Cartum, que deu apenas seu primeiro nome, Abdelmalek.

Hospitais relataram corpos insepultos e balas atravessando janelas. Moradores disseram que os preços dos alimentos frescos que sobraram subiram acentuadamente.

O Sudão fica estrategicamente entre Egito, Arábia Saudita, Etiópia e a volátil região africana do Sahel, e a luta pelo poder ali corre o risco de aumentar as tensões regionais.

A RSF devolveu as tropas egípcias que capturou na base de Merowe no fim de semana, e o vizinho ocidental Chade disse que deteve e desarmou um contingente sudanês de 320 soldados na segunda-feira, entre milhares de refugiados que cruzavam a fronteira da região sudanesa de Darfur.

Desde que as hostilidades começaram no sábado, alguns dos combates mais intensos ocorreram em torno do complexo que abriga a sede do Exército e a residência do governante militar do Sudão, general Abdel Fattah al-Burhan.

Burhan acusou o líder da RSF, general Mohamed Hamdan Dagalo, até a semana passada seu vice no conselho militar que governa desde um golpe há dois anos, de “tomada de poder”. Uma aliança frágil entre os dois homens se manteve desde a derrubada, há quatro anos, do autocrata veterano Omar al-Bashir.