Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Como Erdogan transformou a Turquia num jogador-chave na África

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, cuja reeleição em 28 de maio foi prevista por muitos observadores, transformou o seu país num ator importante em toda a África.

O ativismo diplomático de Recep Tayyip Erdogan finalmente valeu a pena? Desde que assumiu o poder em 2003, o presidente turco – que era o claro favorito no segundo turno contra Kemal Kiliçdaroglu no domingo, 28 de maio – trabalhou duro para tornar o seu país em um parceiro importante na África. Ao longo das duas décadas do reinado de Erdogan, a influência da Turquia cresceu enormemente em termos religiosos, culturais, económicos e, acima de tudo, militares.

Diplomacia humanitária e religiosa

Erdogan fez vários gestos em direção aos seus parceiros africanos. Por exemplo, em 2011, quando Ancara veio em auxílio da Somália atormentada pela fome. A diplomacia humanitária turca sempre foi acompanhada por uma dimensão religiosa.
A inauguração da grandiosa Mesquita Azul em Acra em 2021 – inteiramente financiada pela Turquia – é uma de suas encarnações mais espetaculares. Além de construir edifícios religiosos, Ancara também está financiando escolas e hospitais em todo o continente. Também está envolvida em algumas ações mais modestas, mas com um potencial simbólico muito alto, como a operação de distribuição de alimentos na quebra do jejum na Costa do Marfim em 2022 .

A Turquia ainda pode estar longe de ter tanto peso quanto os principais parceiros tradicionais da África – China, Índia, EUA e UE … – mas essa arte magistral de manobrar todas as alavancas do poder brando à sua disposição permitiu a diplomacia avançar na frente económica e, mais recentemente, militar.

O valor das trocas comerciais da Turquia com o continente multiplicou nove vezes ao longo de duas décadas. Os conglomerados turcos se estabeleceram em setores-chave da economia, com alguns campeões, como a Turkish Airlines, ou gigantes da construção como Summa, Limak e AlBayrak.

No plano da segurança, Ancara aproximou-se das capitais do Sahel – nomeadamente Bamako e Ouagadougou – através da assinatura de acordos militares, da venda de equipamento, nomeadamente drones, e do envolvimento em operações de combate antijihadistas.

Essa crescente influência às vezes levanta preocupações nas capitais ocidentais. O presidente francês Emmanuel Macron até traçou paralelos entre as estratégias de influência turca e russa na África, acusando Ancara e Moscou de querer minar a ligação entre a França e os países da África Ocidental “jogando com o ressentimento pós-colonial”.

Uma ‘terceira via’ ?

Considerada mais “neutra” geopoliticamente do que a China ou a Rússia, e vista por muitos líderes africanos como menos arrogante do que as antigas potências coloniais, a Turquia também é menos atenta do que os EUA ou países europeus às questões de direitos humanos ou ao uso final de armas e equipamentos militares vendidos no continente. Isso representa uma “terceira via” que Erdogan nunca deixou de defender, pelo menos em seus discursos.