Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Embaixador angolano diz que tem dado assistência a Man Gena

Em declarações à DW, o embaixador de Angola em Moçambique, João Manuel, nega as alegações do ativista angolano Man Gena, refugiado em Maputo com a família desde fevereiro, sobre a não prestação de apoio da Embaixada.

Nas redes sociais, o denunciante angolano Eugénio Quinta, mais conhecido como “Man Gena”, acusou a representação diplomática de Angola em Moçambique de não o apoiar.

“Ninguém contactou a Embaixada a dizer que ele precisava de ajuda. Só recorreu à Embaixada depois que teve o problema e foi retido pelas autoridades moçambicanas”, afirmou o diplomata à DW, à margem do Conselho Consultivo alargado do Ministério das Relações Exteriores, na quarta-feira (12.04).

“Mas, ainda assim, nós mandamos diplomatas para lá, que foram e continuam acompanhar o caso até hoje”, acrescentou.

O ativista angolano está refugiado em Moçambique desde finais de fevereiro, com a família, por alegadas ameaças de morte, em Angola, após ter denunciado o envolvimento de altas figuras da Polícia Nacional no tráfico de droga.

“O apoio que nós temos estado a prestar é apoio jurídico, contactando as autoridades para como é que o problema pode ser resolvido. Mas, infelizmente, o Man Gena entrou em Moçambique de uma forma ilegal”, lembra o embaixador.

Morte de bebé em Maputo

Num vídeo publicado no passado domingo (09.04) no Youtube, a mulher de Man Gena acusou o Hospital Central de Maputo (HCM) de matar a bebé recém-nascida do casal, que está sob custódia em Moçambique.

Clemência Suzete Vumi responsabilizou os médicos pela morte da bebé recém-nascida, a 7 de abril, dois dias após o nascimento no HCM.

Citado pelo jornal O País, Agostinho Daniel, diretor do Departamento de Ginecologista e Obstetrícia do Hospital Central de Maputo, rejeitou as acusações e garantiu que “tudo foi feito seguindo os protocolos clínicos” para salvar a bebé e a mãe, que entrou no hospital “com uma complicação obstétrica, que afetava uma gravidez ainda prematura”.

Na semana passada, um grupo de deputados da União Nacional para Independência Total de Angola (UNITA), o maior partido da oposição angolana, que visitou Maputo em março, disse em conferência de imprensa que Man Gena “teme envenenamento alimentar” em Moçambique.

P|or José Adalberto