Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Filipe Mukenga pensa terminar carreira

O músico e compositor angolano Filipe Mukenga pensa pôr fim a sua carreira de quase 60 anos, anunciou, nesta quinta-feira, o artista na sua pagina do faceboock.

Na sua rede social, o conceituado músico, que faz uma reflexão sobre a sua trajectória, diz estar a cogitar o fim do seu trabalho na música com a obra intitulada “MEU ÚLTIMO DISCO”, deixando no baú milhares de outras canções por gravar.

“As composições, comigo, elas surgem numa torrente difícil de travar senão apenas, me divorciando, de tempos a tempos do violão. É a solução que encontrei para bloquear a minha torrente criativa”, escreve o autor de “Humbi Humbi” e “Nvula”, entre vários sucessos.

Informa que tem um projecto discográfico que, inicialmente, decidiu chamar Tritonalidades, três discos reunidos num só projecto e englobando 36 canções a serem trabalhadas por três arranjadores ou produtores.

Porém, refere que está difícil encontrar mecenas que se disponham a financiá-lo. “Espero que com a revisão da antiga Lei do Mecenato, mais atractiva, em termos de benefícios fiscais mais interessantes, eu possa ver, finalmente, concretizado, o Tritonalidades, agora intitulado MEU ÚLTIMO DISCO, com o qual e presentemente, venho pensando, seriamente, em dizer adeus à música”.

Francisco Filipe da Conceição Gumbe, ou simplesmente Filipe Mukenga, nasceu no dia 5 de Setembro de 1949, em Luanda, onde muito cedo começou a cantar.

Durante a juventude passou por formações de Rock como os The Five Kings, The Black Stars, Indómitos, Apollo II, Brucutus e Os Rocks. Com o amigo Zé Agostinho formou o Duo Missosso e começa as recolhas do cancioneiro tradicional.

No início dos anos 1980, fruto do seu ecletismo musical, aposta nas dissonantes aos sons nacionais e cria a NMA, Nova Música Angolana, aberta ao mundo, com “vários estilos e tendências musicais, que passam pela recolha da música tradicional, pelas influências da música popular, música brasileira, pelo Rock e pelas sugestões rítmicas e vocais do Jazz”.

Na sua discografia encontramos “Novo Som”, “Kianda Kianda”, “Mimbu Iami”, “Nós Somos Nós” e “Meu Lado Gumbe” e vários projectos com o seu parceiro musical Filipe Zau, com realce para a trilogia “Canto da Sereia – O Encanto”.

Tem na forja o álbum “Canções & Destino”, com temas proporcionais apresentados no projecto “Tributo aos Grandes da Nossa Música” da Guelvamos Produções, em parceria com a Unitel.

Filipe Mukenga recebeu em 2021 o Prémio Nacional de Cultura e Artes. ART