Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

FMI conclui com nota positiva as primeiras revisões do programa com o Ruanda

O Conselho Executivo do Fundo Monetário Internacional (FMI) concluiu hoje as primeiras revisões do Instrumento de Coordenação de Políticas (PCI) de Ruanda e do programa sob o Mecanismo de Resiliência e Sustentabilidade (RSF). A decisão do Conselho permite um desembolso imediato de SDR 73,95 milhões (cerca de US$ 98,6 milhões) no âmbito do Mecanismo de Resiliência e Sustentabilidade. O acordo PCI e RSF foi aprovado em 12 de dezembro de 2022, este último com um valor total de SDR 240,3 milhões (cerca de US$ 319 milhões ou 150% da cota).

A economia de Ruanda continuou com um crescimento pós-pandêmico acelerado em 2022, mas surgiram desequilíbrios macroeconômicos. O aumento dos preços dos alimentos e a forte demanda doméstica alimentada pelo alto crescimento do crédito contribuíram para uma inflação persistente, que ficou em 17,8% em abril.

A robusta demanda de importação, juntamente com os altos preços das comodities e o aperto das condições de financiamento global, enfraqueceram a posição externa de Ruanda. O ambiente externo incerto e as perspectivas reduzidas de financiamento concecional externo estão agravando os desafios do legado das recentes crises globais.

Uma combinação de políticas forte e cuidadosamente calibrada – incluindo ajuste antecipado da política fiscal, ações corretivas para lidar com atrasos na mobilização de receitas domésticas, um aperto decisivo na política monetária, e maior flexibilidade da taxa de câmbio – é necessária para corrigir os desequilíbrios internos, promover a estabilidade externa e canalizar recursos para a ambiciosa agenda de desenvolvimento e clima das autoridades.

A perspectiva está sujeita a grande incerteza, decorrente principalmente dos riscos de aprofundamento da fragmentação geopolítica, volatilidade nos preços globais de energia e fertilizantes, um declínio mais acentuado do que o projetado no crescimento dos parceiros comerciais ou um aperto de financiamento.

Apesar do ambiente desafiador, as reformas permaneceram em andamento sob o PCI, enquanto o compromisso das autoridades com o avanço da agenda climática tem sido muito forte.

O programa apoiado pelo RSF, o primeiro para um país africano, promoverá os esforços das autoridades para criar resiliência às mudanças climáticas, melhorando a transparência e a responsabilidade no planejamento, execução, relatórios e supervisão dos recursos orçamentários dedicados ao enfrentamento das mudanças climáticas.

Na conclusão da discussão do Conselho Executivo, o FMI saudou o compromisso de Ruanda em construir resiliência socioeconômica e esforços para fazer a transição para um crescimento mais verde e sustentado. Ruanda continua na vanguarda do combate à adaptação às mudanças climáticas e é o primeiro país da região subsaariana a beneficiar do RSF. Será importante avançar nas reformas na gestão das finanças públicas verdes e na gestão do investimento público com foco no clima, com o objetivo de criar um ambiente propício para atrair financiamento climático e apoiar o investimento verde privado.