Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Governo russo alarga idade de jovens recrutados para serviço militar obrigatório

Com a declarada “operação especial” na Ucrânia ainda a decorrer e a necessidade de reforçar as Forças Armadas da Rússia, o Parlamento de Moscovo aprovou uma medida que visa alargar a idade de recrutamento de homens até aos 30 anos. O objetivo é aumentar o número de jovens sujeitos a um ano de serviço militar obrigatório.

O projeto de lei proposto em Moscovo visa reforçar as forças militares na linha da frente na Ucrânia sem a necessidade de recorrer a outra mobilização civil – medida do Kremlin, em setembro do ano passado, que se tornou impopular.

“A partir de 1 de janeiro de 2024, os cidadãos entre os 18 e os 30 anos serão convocados para o serviço militar”, anunciou o porta-voz da Câmara baixa do Parlamento.

A nova medida, que ainda será aprovada pela Câmara Alta e assinada por Vladimir Putin, proíbe também que os jovens recrutados saiam do país depois de serem avisados previamente do alistamento. Até agora, os homens entre os 18 e os 27 anos eram obrigados a cumprir pelo menos um ano de serviço militar. Mas agora o Kremlin quer alargar mais três anos, até aos 30.

“O projeto de lei foi alterado porque a situação demográfica é grave e afeta o volume do recurso de mobilização”, explicou Andrei Kartapolov, responsável do comité da Defesa da Duma, à agência de notícias Interfax, argumentando que, atualmente, muitas pessoas tentavam evitar o serviço militar.
Coimas para quem não se apresentar

Foi ainda aprovado, na terça-feira, um projeto de lei que visa o aumento das coimas para todos os que não comparecerem nos locais de alistamento quando são convocados, de três mil rublos para 30 mil rublos.

Esta legislação, quando entrar em vigor, garante aos governadores russos a capacidade de estabelecer unidades paramilitares regionais durante períodos de mobilização ou de lei marcial.

Apesar de o Ministério da Defesa da Rússia não divulgar números oficiais, acredita-se que as Forças Armadas tenham perdido muitos militares nos combates do último ano na Ucrânia. Já no outono passado, o Governo russo anunciou a mobilização de 300 mil reservistas, mas milhares de pessoas começaram a sair do país.

E na semana passada os deputados russos aprovaram uma medida separada que estende a idade máxima em que os reservistas podem ser convocados, o que significa que alguns homens agora serão considerados disponíveis para o serviço militar até os 55 anos.

Recorde-se que em 2022 a Rússia anunciou um plano para aumentar o número de militares em mais de 30 por cento, para 1,5 milhões, mas sem sucesso.