Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Kremlin rejeita pedido da ONU para retornar ao acordo de grãos do Mar Negro

O Kremlin disse nesta terça-feira ser impossível para a Rússia retornar ao acordo de exportação de grãos no Mar Negro até que um acerto relacionado aos interesses russos seja honrado, rejeitando um pedido do secretário-geral da ONU, António Guterres, para que Moscou retorne ao pacto.

Guterres pediu na segunda-feira à Rússia que volte a permitir que a Ucrânia exporte grãos com segurança de seus portos marítimos, apesar do que a Rússia chama de “operação militar especial”, de acordo com uma proposta que ele fez ao presidente Vladimir Putin.

Mas o Kremlin sugeriu que a proposta de Guterres não aborda sua principal reclamação: que não houve progresso em um acordo relacionado que foi projetado para facilitar as exportações russas de alimentos e fertilizantes em meio às sanções ocidentais impostas em resposta à guerra.

“A carta do senhor Guterres novamente estabeleceu algum tipo de plano de ação e continha promessas de que em algum momento seria possível implementar a parte russa desses acordos”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, a repórteres.

“Infelizmente, no momento é impossível retornar ao acordo porque ele (o acordo relacionado à Rússia) não está sendo implementado e, de fato, nunca foi implementado.”

Peskov disse que Putin deixou claro, no entanto, que Moscou estaria pronta para retomar o acordo quando o memorando relacionado à Rússia for cumprido.

O acordo, mediado pelas Nações Unidas e pela Turquia em julho passado, visava ajudar a evitar uma crise global de alimentos, permitindo que os grãos bloqueados pela guerra na Ucrânia fossem exportados com segurança.

Peskov afirmou que será importante para a Rússia discutir o fornecimento de grãos com os países africanos em uma cúpula Rússia-África na quinta e sexta-feira.

A Rússia tem falado sobre a possibilidade de fornecer grãos baratos ou gratuitos para as nações mais pobres da África.