Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Lura lança novo álbum em Agosto com foco na valorização da mulher

Não abandonando os ritmos tradicionais de Cabo Verde, Lura aproxima-se de novos estilos numa fusão que revela a sua multiculturalidade. Numa passagem por Paris para um concerto no Olympia, Lura falou aos microfones da RFI sobre a valorização da mulher, da auto-estima e da redescoberta da sua identidade.

“[Neste novo trabalho] Vamos ter a Lura na descoberta de ritmos que possam refrescar aquilo que já conhecem do meu trabalhar, com sonoridades mais actuais, mais frescas, mais electrónicas, mas não é uma mudança radical. Sempre focando a multiculturalidade e a visão de vários aspectos da vida, do quotidiano, da mulher da auto-estima”, explicou a artista.

Os temas do álbum “Multi Color” partem, segundo Lura, do seu amadurecimento pessoal e das suas experiências enquanto mulher, uma realidade que despertou especialmente depois de ter sido mãe de uma menina.

“Toda esta valorização e empoderamento feminino acaba por me afectar porque realmente é uma causa importante, sem desprimor para a importância dos homens. Mas cada vez mais sei que tenho de m respeitar a mim própria e respeitar as outras mulheres e, se não formos nós a reconhecer essa importância na nossa vida e todas juntas em sociedade, quem o fará?”, indicou Lura.

Outros temas como a identidade e a dupla nacionalidade portuguesa e cabo-verdiana também têm espaço neste novo trabalho.

“Falo muito desta minha dupla nacionalidade, portuguesa e cabo-verdiana, e isto faz de mim uma pessoa de várias cores, não só apenas negra, sou de todas as cores porque somos pessoas de várias cores”, declarou a artista.

Lura vai voltar a Paris em Outubro para um concerto no Café de la Danse, com o seu novo álbum, que conta com uma parceria com o músico Agir, onde a artista mostra vontade de continuar a participar no movimento da música lusófona que atravessa fronteiras.

“Sempre fiz parte deste movimento de mistura de culturas. Desde o assumir do meu afro, às vestes africanas, à cores, ao lembrar que nós, os cabo-verdianos, viemos de africanos e europeus e nos juntámos em ilhas desabitadas e criámos um novo povo, fico muito feliz que África esteja cada vez mais valorizada e estejamos todos a crescer”, concluiu.

Por Catarina Falcão