Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Ministra das Finanças de Angola vê sinais de inflação mais rápida após cortes nos subsídios aos combustíveis

Angola está vendo sinais de aumento das pressões de preços após a decisão do governo de cortar os subsídios à gasolina no início deste mês, o que quase dobrou os preços nas bombas num país que tinha um dos combustíveis mais baratos do mundo.

“Estamos vendo os primeiros sinais desse impacto”, disse a ministra das Finanças, Vera Daves de Sousa, em entrevista à Bloomberg Television em Paris com Francine Lacqua. A política monetária e as medidas para evitar “alguma especulação” de preços devem colocar a inflação de volta em uma “trajetória de tendência de queda”, disse ela.

A taxa de inflação anual em Angola, o segundo maior produtor de petróleo da África, subiu para 10,62% em maio, interrompendo 15 quedas mensais consecutivas nos preços ao consumidor. O banco central, cujo governador foi substituído este mês, disse que planeia rever a meta de inflação entre 9% e 11% para o final de 2023 após a remoção dos subsídios aos combustíveis.

O cancelamento dos incentivos ocorreu ao mesmo tempo em que a Nigéria, maior produtor de petróleo da África, retirou o seu próprio subsídio, fazendo com que os preços na bomba triplicassem. Angola procura conter as despesas e ganhar espaço fiscal para investir em sectores como educação, saúde e negócios locais para melhorar a vida do cidadão comum, disse Daves de Sousa.

Questionado se o governo temia mais agitação social após protestos violentos no início deste mês em varias cidades em Angola, que resultaram na morte de pessoas, a ministro disse: “estamos trabalhando duro em medidas de mitigação”.

“Aumentamos a quantia mensal de dinheiro para as famílias pobres, especialmente nas áreas rurais, e destinamos mais dinheiro ao nosso programa de oferta de dinheiro”, disse ela. “Também estamos estabelecendo um fundo de emprego.”

Daves de Sousa, que se tornou a primeira mulher ministra das Finanças do país em 2019, reiterou a previsão de crescimento económico do seu governo de 3% para 2023. Embora a produção de petróleo de Angola esteja a diminuir, ela continua “muito positiva” em relação ao sector não petrolífero.

“Ainda estamos confiantes num crescimento de 3% este ano, mas vamos ver nos próximos meses como se comportará a produção de petróleo,” disse Daves de Sousa.

Para já, Angola não planeia vender Eurobonds e vai continuar a monitorizar as condições do mercado para uma eventual venda.

“A taxa de juros que o mercado nos pedirá para pagar é muito alta para lidarmos”, disse ela. “Vamos intervir apenas quando entendermos que, ao fazê-lo, não nos colocaremos em uma posição de risco em termos de serviço da dívida.”