Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Ministro da Cultura lamenta morte da fundadora do grupo Katyavala

O ministro da Cultura e Turismo, Filipe Zau, lamentou, esta segunda-feira, a morte da mentora e fundadora do grupo de dança tradicional Katyavala do município Bailundo, província do Huambo, Júlia Nangueve, falecido na última sexta-feira (05).

Numa nota de condolências chegada à ANGOP, o ministro afirma que foi com tristeza que tomou conhecimento do passamento físico, por doença, da mulher que deu vida, em 2000, ao icónico grupo de dança tradicional que preserva o património imaterial e tradicional do país, que é a dança do estilo Olundongo.

O governante destacou o dinamismo da “Tia Júlia”, carinhosamente chamada no grupo Katyavala, que passou a ser uma grande referência nesta região do país e não só, com participações de reconhecido mérito em diversos eventos, com destaque para o Festival Nacional de Cultura (FENACULT 2014), desfiles carnavalescos da província do Huambo, recepções Presidenciais e outros de grande relevância.

Segundo o ministro, a força de vontade da malograda, dedicação e empenho geral do grupo, levou à mais alta distinção da Cultura nacional, ao ser atribuído o Prémio Nacional de Cultura e Artes.

Rei do Bailundo destaca feitos da “Tia Júlia”

Por sua vez, o Rei do Bailundo, Tchongolola Tchongonga, afirmou que Júlia Nangueve foi uma mulher que deu muito do seu saber, sobretudo, em 2002, com a conquista da paz, no processo de resgate, preservação, valorização e de divulgação dos hábitos e costumes da população desta região do Planalto Central de Angola.

O grupo de dança tradicional Katyavala, segundo Rei do Bailundo só funcionou graças a resiliência da Júlia Ngueve, que era uma mulher com objectivos bem definidos.

Com a sua postura no grupo Katyavala, acrescenta o soberano, resgatou-se muitos valores culturais perdidos de 1975 a 2000, a exemplo da dança tradicional Olissemba, Olondongo, Onhatcha, Okatita, Ossawaya, Otchianda, Okamussa, Otchissossi, Otchitiku e Nawassindikile, elevando, desta forma, a cultura desta região.

Júlia Ngueve nasceu a 07 de Janeiro de 1962, no município do Mungo, província do Huambo, e faleceu aos 61 anos de idade, vítima de doença prolongada.

O desejo de preservar o património imaterial da cultura nacional, sobretudo, a dança Olundongo, em companhia de outras amigas, criou, em 2000, o grupo de dança Katyavala para animação de diversos eventos. ZZN/ALH