Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Moedas africanas sob pressão com as taxas de juros dos EUA altas

Segundo fontes do FMI, a maioria das moedas da África Subsaariana enfraqueceu em relação ao dólar americano, aumentando as pressões inflacionárias em todo o continente à medida que os preços das importações aumentam. Isso, juntamente com uma desaceleração do crescimento, deixa os formuladores de políticas com escolhas difíceis para controlar a inflação.

A desvalorização média da região em relação ao dólar desde janeiro de 2022 está em torno de 8%. A extensão varia de acordo com o país. O cedi do Gana e a leoa de Serra Leoa caíram mais de 45%.

Relativamente a Angola, a evolução do Kwanza está também condicionada pelas flutuações do preço do petróleo. Entre janeiro e abril de 2022, o kwanza registou uma forte valorização de cerca de 36% face ao dólar devido às incertezas que a guerra na Ucrânia fazia pesar sobre a economia mundial, com os mercados a antecipar uma forte subida do preço do petróleo.

À medida que os países ocidentais reagiram e ajustaram as fontes de abastecimento de energia, o preço do petróleo Brent caiu gradualmente para se situar hoje, 16 de maio, em 74,72 USD o barril. Isto contribui para a desvalorização do Kwanza face ao dólar na ordem dos 31%

As depreciações em toda a região foram impulsionadas principalmente por fatores externos. O menor apetite por risco nos mercados globais e o aumento das taxas de juros nos EUA levaram os investidores da região a buscar títulos do Tesouro dos EUA mais seguros e de maior rendimento.

As receitas cambiais foram afetadas em muitos países, pois a demanda pelas exportações da região diminuiu devido à desaceleração econômica nas principais economias. Ao mesmo tempo, os altos custos de energia e alimentos, em parte devido à guerra da Rússia na Ucrânia, aumentaram os custos de importação em 2022.

Grandes déficits orçamentários agravaram os efeitos desses choques externos, aumentando a demanda por divisas. Cerca de metade dos países da região tiveram déficits superiores a 5% do produto interno bruto em 2022, pressionando as suas taxas de câmbio.

Implicações

Mais de dois terços das importações são cotadas em dólares americanos para a maioria dos países da região.
Segundo o FMI, um aumento de 1 ponto percentual na taxa de depreciação em relação ao dólar americano leva, em média, a um aumento da inflação de 0,22 ponto percentual no primeiro ano na região.

Moedas mais fracas também aumentam a dívida pública. Cerca de 40% da dívida pública é externa na África subsaariana e mais de 60% dessa dívida é em dólares americanos para a maioria dos países. Desde o início da pandemia, as desvalorizações cambiais contribuíram para aumentar a dívida pública da região em cerca de 10 pontos percentuais do PIB, em média, até o final de 2022.

Muitos bancos centrais da região tentaram fortalecer as suas moedas fornecendo divisas aos importadores a partir das reservas, mas há pouco espaço para continuar a intervir nos mercados de câmbio deste modo.

Os países também implementaram medidas administrativas, como racionamento da taxa de câmbio ou proibição de transações em moeda estrangeira. Essas medidas podem ser altamente distorcidas e criar oportunidades de corrupção.