Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Novo dialeto do inglês com influência do espanhol nasce em Miami

A língua espanhola é ouvida em toda parte em Miami – nas lojas, nos bares, nos restaurantes, nas consultas médicas, ou nos bancos. A onipresença do espanhol está mudando a forma de falar inglês nesta cidade americana.

Uma pesquisa liderada por Phillip Carter, professor de Linguística e de Inglês da Universidade Internacional da Flórida (FIU, na sigla em inglês), descobriu a existência de um dialeto desse idioma no sul do estado da Flórida.

A nova variante do inglês tem traços do espanhol, isto é, assimila expressões da língua traduzidas de forma literal.

Assim, em Miami, uma pessoa pode dizer “get down from the car” (que em tradução livre ficaria “desça do carro”) em vez de “get out of the car” (“saia do carro”, em tradução livre), por influência de “bajarse del carro”, ou “put the light” (“ligar a luz”, em vez de “turn on the light” (“acender a luz”), em uma derivação do espanhol “pon la luz”.

O inglês resultante soa estranho para os demais habitantes do país.

O uso de calcos é habitual entre os imigrantes quando aprendem o idioma do país de acolhimento, mas costuma desaparecer com as gerações seguintes, disse Carter, de 43 anos, à AFP.

Baseado em entrevistas com cidadãos de origem latino-americana, seu estudo demonstrou que, no sul da Flórida, nem sempre é assim.

“Ficamos surpresos ao comprovar que muitas dessas expressões não desaparecem com a geração dos imigrantes”, afirmou o professor.

“Foi interessante ver que algumas dessas expressões passavam para seus filhos e netos. Não todas, mas algumas permanecem. Por isso nos referimos a isso como um dialeto, algo que as pessoas aprendem como primeira língua e que inclui alguns desses traços influenciados pelo espanhol”, completou.

– Fruto da convivência –

De acordo com o Censo americano, 69,1% da população do condado de Miami-Dade é hispânica. A convivência do inglês e do espanhol é, portanto, uma realidade cotidiana para muitos habitantes da região.

O fenômeno foi causado pela chegada de milhares de cubanos, após a Revolução de 1959 na ilha, e reforçado por movimentos migratórios de outros países latino-americanos, como Colômbia e Venezuela.

Essa proximidade entre idiomas, com uma oscilação constante de um para o outro na mesma frase, já havia criado o chamado “spanglish”, uma variedade de espanhol cheia de anglicismos e de calcos linguísticos tomados do inglês, falado em várias partes do Estados Unidos.

“Não existe um único idioma que não tenha palavras emprestadas de outro”, diz Carter. “O empréstimo (de palavras) é uma realidade inescapável das línguas do mundo. Quando há duas línguas faladas pela maioria da população, muitos contatos linguísticos interessantes acontecem”, completou.

Camilo Mejía, de 47 anos, celebra a diversidade cultural de Miami, onde trabalha em uma ONG.

Em Miami, “você não aprende apenas sobre outras culturas, mas também sobre uma cultura que é fruto de muitas pessoas de diferentes origens que se reuniram, convivem e criam coisas novas juntas”.