Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

O crescimento da China impulsiona a economia global

O Produto Interno Bruto expandiu 4,5% no último trimestre em relação ao ano anterior, mostraram dados oficiais na terça-feira, superando as expectativas dos economistas. Em março, as vendas no comercio de retalho dispararam 10,6% em relação ao ano anterior, o maior ganho mensal desde junho de 2021, indicando um crescimento impulsionado pelo consumo.

Os dados otimistas fornecem uma base para o governo da China atingir ou, mesmo, superar a sua meta de crescimento do PIB de cerca de 5% para o ano 2023. Isso tornaria a China, ao lado da Índia, os maiores contribuintes para o crescimento global em 2023, respondendo por cerca de metade da expansão, de acordo com o Fundo Monetário Internacional.

O forte crescimento do PIB levou o Citigroup Inc. e a Societe Generale SA a atualizar as suas previsões de crescimento para o ano inteiro para a China para 6,1% e 6%, respectivamente. A S&P Global Ratings também disse que há probabilidades de alta na sua projeção atual de 5,5%.

“Essa recuperação do consumo deve fornecer algum conforto aos formuladores de políticas e provavelmente os levará um pouco mais longe na direção de não querer aplicar uma quantidade significativa de estímulos macroeconómico e começar a pensar em atenuar a generosidade da política monetária”, disse Louis Kuijs, economista-chefe da S&P para a Ásia-Pacífico. “Acho que o ímpeto de crescimento será mantido.”

Ainda assim, os dados de março mostraram que a recuperação da China a partir de 2022 – quando os bloqueios da Covid e uma queda no setor imobiliário arrastaram o crescimento do PIB para o segundo ritmo mais fraco desde a década de 1970 – será gradual, em vez de “em forma de V”.

O crescimento da produção industrial permanece abaixo das taxas pré-pandemia, enquanto o investimento imobiliário continuou a se contrair, embora as vendas de imóveis tenham começado a se expandir novamente. A fraca construção imobiliária foi, até certo ponto, compensada por um aumento no investimento em infraestrutura liderado por empresas estatais.

O mercado de trabalho e o crescimento dos salários também ainda não voltaram ao normal. A renda dos residentes urbanos cresceu apenas 2,7% em termos ajustados pela inflação durante o primeiro trimestre em relação ao ano anterior, bem abaixo das taxas de crescimento acima de 5% nos anos anteriores à pandemia. A taxa de desemprego juvenil atingiu quase um recorde, enquanto a taxa nacional de desemprego urbano permaneceu elevada.

Os economistas estão divididos sobre se o governo precisa lançar mais estímulos para impulsionar o crescimento. O governador do Banco Popular da China, Yi Gang, disse na semana passada que a economia está a caminho de crescer de acordo com a meta do PIB, sugerindo que não há necessidade de grandes estímulos. Na segunda-feira, o banco central se absteve de cortar uma taxa básica de juros e restringiu a injeção de dinheiro no sistema bancário – embora alguns analistas ainda vejam espaço para afrouxamento nos próximos meses.

Também há espaço limitado para apoio fiscal significativo devido ao enfraquecimento das finanças governamentais. A medida ampla do déficit fiscal da China aumentou 27% no primeiro trimestre, para US$ 230 bilhões, mostraram dados do Ministério das Finanças na terça-feira.

2023-2028 Contribuição ao crescimento económico global

A China continua sendo crucial para a economia global este ano, enquanto os EUA e a Europa lutam devido a fatores como altos custos de energia e inflação do consumidor que supera o crescimento dos salários, o que limita os gastos do consumidor.

Espera-se que a fatia da expansão do produto do PIB do país represente 22,6% do crescimento mundial total até 2028, de acordo com cálculos da Bloomberg usando dados que o FMI divulgou no seu World Economic Outlook na semana passada. A Índia segue com 12,9%, enquanto os EUA contribuirão com 11,3%.