Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

OPEP: Tensão entre Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos ameaça minar o cartel e desestabilizar o Oriente Médio

Uma brecha se abriu entre o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, de 37 anos, e seu antigo mentor, o presidente dos Emirados Árabes Unidos, Sheikh Mohamed bin Zayed Al Nahyan, que reflete uma competição pelo poder geopolítico e económico no Oriente Médio e nos mercados globais de petróleo. Os dois membros da realeza, que passaram quase uma década subindo ao topo do mundo árabe, agora estão brigando sobre quem manda no Oriente Médio, onde os Estados Unidos desempenham um papel de arbitro cada vez menor.

Autoridades dos EUA disseram temer que a rivalidade no Golfo possa dificultar a criação de uma aliança de segurança unificada para combater o Irão, encerrar a guerra de oito anos no Iêmen e expandir os laços diplomáticos de Israel com nações muçulmanas.

“São duas pessoas altamente ambiciosas que querem ser atores-chave na região e os protagonistas”, disse um alto funcionário do governo Biden. “Em algum nível, eles ainda colaboram. Agora, nenhum dos dois parece confortável com o outro no mesmo pedestal. Em suma, não é útil para nós que eles estejam na garganta um do outro”. Reportou o The Wall Street Journal.

Há rumores de que os dois homens – o saudita é conhecido como MBS e o presidente dos Emirados Árabes Unidos, de 62 anos, como MBZ – não se falam há mais de seis meses, e suas disputas privadas se espalharam abertamente.

Os Emirados Árabes Unidos e a Arábia Saudita têm interesses divergentes no Iêmen que minaram os esforços para acabar com o conflito naquele país, e as frustrações dos Emirados com a pressão saudita para aumentar o preço global do petróleo estão criando fissuras na OPEP.

Os dois países também são cada vez mais concorrentes económicos. Como parte dos planos de MBS para acabar com a dependência económica da Arábia Saudita do petróleo, ele está pressionando as empresas a mudarem suas sedes regionais para Riad, a capital saudita, de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, uma cidade mais cosmopolita preferida pelos ocidentais. Ele também está lançando planos para criar centros tecnológicos, atrair mais turistas e desenvolver centros logísticos que rivalizariam com a posição dos Emirados Árabes Unidos como centro comercial do Oriente Médio . Em março, ele anunciou uma segunda companhia aérea nacional que competiria com a altamente conceituada Emirates de Dubai .

Num esforço para suavizar as tensões, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos trocaram comunicados descrevendo as suas reclamações e demandas por mudanças, de acordo com autoridades de ambas as nações.

Os sauditas e os emirados se autodenominam os aliados mais próximos, mas às vezes têm um relacionamento tenso desde que os Emirados Árabes Unidos conquistarem a independência da Grã-Bretanha em 1971.

O pai fundador dos Emirados Árabes Unidos, Sheikh Zayed al Nahyan, irritou-se com a dominação saudita da península arábica, e o então rei saudita Faisal recusou-se a reconhecer o seu vizinho do Golfo Pérsico por anos, buscando influência em várias disputas territoriais. Em 2009, os Emirados Árabes Unidos rejeitaram os planos para um banco central comum do Golfo sobre a sua localização proposta em Riad. Até hoje, há disputas territoriais por terras ricas em petróleo entre os dois países.

Disputa da OPEP

A brecha veio à tona em outubro do ano passado, quando a OPEP, o grupo de produção de petróleo de 13 nações que se aliou à Rússia , decidiu reduzir a produção em um movimento que surpreendeu o governo Biden. Os Emirados Árabes Unidos concordaram com o corte, mas em particular disseram às autoridades americanas e à mídia que a Arábia Saudita os forçou a aderir à decisão .

A dinâmica refletiu uma disputa de longa data entre os sauditas e os emirados sobre a política na OPEP, um órgão que Riad há muito domina como o maior exportador mundial de petróleo. Os Emirados aumentaram a sua capacidade de produção de petróleo para mais de quatro milhões de barris por dia e têm planos de ir acima de cinco milhões, mas estão autorizados pela política da OPEP a bombear não mais do que cerca de três milhões, custando centenas de bilhões de dólares em perdas de receitas.

O aumento da capacidade de produção de petróleo dos Emirados também lhes dá a capacidade potencial de aumentar e diminuir a produção e, com isso, os preços globais do petróleo. Até recentemente, apenas a Arábia Saudita detinha esse tipo de poder de mercado.

As frustrações dos Emirados chegaram ao ponto em que eles disseram às autoridades americanas que estavam prontos para sair da OPEP, de acordo com autoridades do Golfo e dos EUA. Autoridades americanas disseram que interpretaram isso como um sinal de raiva dos Emirados, não como uma ameaça real. Na última reunião da OPEP, em junho, foi permitido aos Emirados um modesto aumento em sua linha de base de produção, e o seu ministro da energia surgiu de mãos dadas com seu homólogo saudita.