Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Perspectivas Económicas Mundiais do FMI: Recuperação Difícil

Nas previsões divulgadas hoje, em Washington, durante as reuniões de primavera do FMI e do Banco Mundial, o Fundo anunciou que a recuperação gradual da economia global continua no caminho certo, mas o caminho está a ficar pedregoso e os riscos financeiros aumentaram.

A economia da China está a recuperar fortemente. As interrupções na cadeia de suprimentos estão a diminuir, enquanto as tensões nos mercados de energia e alimentos causados pela invasão da Ucrânia pela Rússia estão diminuindo.

Simultaneamente, o aperto massivo e sincronizado da política monetária pela maioria dos bancos centrais deve começar a dar frutos, com a inflação voltando para as metas previstas.

O Fundo prevê nas últimas Perspectivas Económicas Mundiais que o crescimento chegará a 2,8% este ano, antes de subir modestamente para 3% em 2024. A inflação global cairá, embora mais lentamente do que inicialmente previsto, de 8,7% no ano passado para 7% este ano e 4,9% em 2024.

Crescimento

A desaceleração económica deste ano está concentrada nas economias avançadas, especialmente na zona do euro e no Reino Unido, onde o crescimento deve cair para 0,8% e -0,3% este ano, antes de recuperar para 1,4% e 1%, respectivamente. Por outro lado, apesar de uma revisão para baixo de 0,5 ponto percentual, muitos mercados emergentes e economias em desenvolvimento estão a recuperar, com o crescimento acelerando para 4,5% em 2023.

Riscos

A recente instabilidade bancária mostra que a situação continua frágil. Mais uma vez, os riscos negativos dominam e a névoa em torno das perspectivas económicas mundiais aumentou.

Primeiro, a inflação é muito mais rígida do que o previsto, mesmo alguns meses atrás. Embora a inflação global tenha diminuído, isso reflete principalmente a forte reversão nos preços de energia e alimentos.

Além disso, a atividade mostra sinais de resiliência, pois os mercados de trabalho permanecem muito fortes na maioria das economias avançadas. Isso pode exigir que a política monetária se aperte ainda mais ou permaneça mais apertada por mais tempo do que o previsto atualmente.

Mais preocupantes são os efeitos colaterais que o forte aperto da política monetária do ano passado começa a ter sobre o setor financeiro.

O rápido aperto da política monetária provocou perdas consideráveis em ativos de renda fixa de longo prazo e elevou os custos de financiamento.

A estabilidade de qualquer sistema financeiro depende da sua capacidade de absorver perdas sem recorrer ao dinheiro dos contribuintes. A breve instabilidade no mercado de ouro do Reino Unido no outono passado e a recente turbulência bancária nos Estados Unidos e na Suíça ressaltam que existem vulnerabilidades significativas entre bancos e intermediários financeiros não bancários. Em ambos os casos, as autoridades financeiras e monetárias agiram com rapidez e firmeza e, até agora, evitaram mais instabilidade.

No entanto, o sistema financeiro pode muito bem ser testado ainda mais. Investidores nervosos geralmente procuram o próximo elo mais fraco, como fizeram com o Crédit Suisse, um banco europeu globalmente sistêmico, mas em dificuldades. Instituições financeiras com excesso de alavancagem, risco de crédito ou exposição à taxa de juros, dependência excessiva de financiamento de curto prazo ou localizadas em jurisdições com espaço fiscal limitado podem se tornar o próximo alvo.

Políticas Públicas

Mais do que nunca, os formuladores de políticas precisam de mão firme e comunicação clara.

Contida a instabilidade financeira, a política monetária deverá manter-se focada na redução da inflação, mas pronta a ajustar-se rapidamente à evolução financeira. Pelo lado positivo, a turbulência bancária ajudará a desacelerar a atividade agregada à medida que os bancos reduzem os empréstimos. Por si só, isso deve atenuar parcialmente a necessidade de mais aperto monetário para alcançar a mesma orientação de política. Mas qualquer expectativa de que os bancos centrais desistiriam prematuramente da luta contra a inflação teria o efeito oposto: reduzir os rendimentos, apoiar a atividade além do que é garantido e, em última instância, complicar a tarefa das autoridades monetárias.

A política fiscal também pode desempenhar um papel ativo. Ao desacelerar a atividade econômica, uma política fiscal mais rígida apoiaria a política monetária, permitindo que as taxas de juros reais retornassem mais rapidamente a um nível natural baixo. A consolidação fiscal adequadamente projetada também ajudará a reconstruir os amortecedores tão necessários e a fortalecer a estabilidade financeira. Embora a política fiscal seja menos expansionista em muitos países este ano, mais poderia ser feito para recuperar o espaço fiscal.

Os reguladores e supervisores também devem agir agora para garantir que as fragilidades financeiras remanescentes não se transformem numa crise total, fortalecendo a supervisão e gerenciando ativamente as tensões do mercado. Para mercados emergentes e economias em desenvolvimento, isso também significa garantir acesso adequado à rede de segurança financeira global, incluindo os acordos de precaução do FMI.

Perspectivas de crescimento a médio prazo

As perspectivas de médio prazo não são muito encorajadoras. A previsão de crescimento global de médio prazo, 3% num horizonte de cinco anos, é a mais fraca projeção de médio prazo desde 1990.

Parte dessa queda reflete a desaceleração do crescimento em economias que antes cresciam rapidamente, como a China ou a Coreia do Sul. Isso é previsível: o crescimento desacelera à medida que os países convergem. Mas parte da última desaceleração também pode refletir forças mais sinistras: o impacto devastador da pandemia, um ritmo mais lento de reformas estruturais, bem como a ameaça crescente e cada vez mais real de fragmentação geoeconómica levando a mais tensões comerciais, menos investimento direto e um ritmo mais lento de inovação e adoção de tecnologia em “blocos” fragmentados.