Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Reino Unido: Sunak anuncia expansão da exploração de petróleo e gás no Mar do Norte e deixa ambientalistas em estado de choque

O primeiro-ministro Rishi Sunak, anunciou esta manhã os planos para reforçar a segurança energética do Reino Unido numa visita à Escócia no meio de crescentes divergências sobre as políticas ambientais do governo.

Sunak pôs ambientalistas em estado de choque ao anunciar que o governo emitirá centenas de novas licenças de petróleo e gás para o Mar do Norte. As primeiras licenças serão emitidas já este outono – com pelo menos 100 licenças de produção.

O Portal de Angola já tinha anunciado a possibilidade do Reino Unido rever a sua política energética (clique aqui para mais informações)

Na sua intervenção, ouvida pelo Portal de Angola, o primeiro-ministro Sunak declarou, “Estamos optando por fortalecer a Grã-Bretanha a partir da Grã-Bretanha”. E ele acrescentou mais “que a aprovação de mais licenças de petróleo e gás é inteiramente consistente com o alcance de zero líquido até 2050.

Sunak foi ainda mais longe ao acrescentar que mesmo quando o zero líquido for atingido, um quarto das necessidades de energia do Reino Unido virá de petróleo e gás.

As reações já começaram a surgir com ambientalistas criticando o governo pela sua visão “míope e egoísta” e advertindo que, embora a segurança energética seja importante, o Reino Unido precisa considerar “a iminente catástrofe climática”.

Preocupações ecológicas e divergências com conotações políticas

As políticas energéticas e climáticas subiram na agenda política após a invasão da Ucrânia pela Rússia e uma crise de custo de vida que alimentou preocupações de que o impulso verde prejudicou as finanças domésticas. Os críticos alertaram que o Reino Unido não investiu o suficiente para reforçar a segurança energética como outros países, como os EUA, e injetar dinheiro em tecnologia verde.

Os eleitores também estão divididos sobre as recentes políticas para a transição climática, uma janela para opiniões divergentes sobre o ritmo e o custo das políticas climáticas do Reino Unido.

O “ministro sombra” do Partido Trabalhista sobre mudança climática e net zero secretário Ed Miliband acusou os Tories de travar uma “guerra cultural contra o clima”, dizendo que o seu partido está focado em “contas mais baixas e bons empregos”.

“As famílias e empresas estão a pagar o preço, em contas de energia mais altas, de 13 anos de política energética conservadora fracassada”, disse Ed Miliband no domingo. “É um absurdo que, tendo deixado este país tão exposto, o Partido Conservador esteja pedindo ao público que acredite que pode consertá-lo.”

No início deste mês, os Conservadores mantiveram por pouco a sede de Uxbridge e South Ruislip no exterior de Londres numa eleição especial após uma reação negativa sobre a expansão da Zona de Emissões Ultra Baixas (Ulez), que cobra aos motoristas £ 12,50 (US$ 16,08) por dia pelo uso de veículos que não atendem aos padrões de baixas emissões.

As políticas climáticas e as preocupações com os seus custos podem se tornar numa linha divisória nas eleições gerais previstas para o ano que vem.

Atualmente, os trabalhistas têm uma grande vantagem nas pesquisas sobre os conservadores, enquanto os eleitores mostram a sua oposição a algumas políticas verdes. A pesquisa do YouGov sugere que mais de metade dos eleitores se oporiam à introdução de Ulez em sua área.

Por Editor Económico
Portal de Angola