Brazil

Carolina Maria de Jesus agora é doutora

A escritor que vivia na favela agora é Doutora Honoris Causa. Carolina de Jesus é uma referência nacional e global com sua vida e sua literatura, especialmente pelo consagrado "Quarto de Despejo" de 1958

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Revista Publicitta - A catadora de papel negra que vivia na favela agora é Doutora Honoris Causa. Embora seja uma homenagem póstuma, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) reconheceu, com a concessão do título pelo Conselho Universitário (Consuni) nesta quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021, a luta e coragem de uma mulher estoica: Carolina Maria de Jesus. A aprovação da outorga da distinção foi unânime e por aclamação e foi transmitida pela webTV UFRJ.

A jornada da escritora improvável começou após os 30 anos, quando se mudou de Minas Gerais para São Paulo após a morte da mãe. Filha de João Cândido e Dona Cota, ambos analfabetos, Carolina nasceu em 14 de março de 1914, em Sacramento, cidade próxima de Araxá e da região do Triângulo Mineiro. Aos 7 anos ingressou no Colégio Allan Kardec, de orientação espírita, onde ficou até o 2º ano do ensino fundamental. Lá, ela abandonou o apelido de criança, Bitita, e aprendeu em pouco tempo a escrever e ler. Com o tempo, tomou gosto por ambos. 

Em 1937, aos 33 anos e grávida, passou a viver na favela do Canindé, zona norte da capital paulista, e a se sustentar como catadora de papel. Aproveitava os cadernos usados que recolhia para registrar o cotidiano em que vivia. Assim, deixou uma obra literária que a colocou como peça fundamental na luta antirracista, conforme atenta o parecer que fundamentou a concessão do título, demonstrando que nos últimos seis anos foi tema de 58 teses e dissertações, segundo o portal de publicações acadêmicas da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Com o apoio do jornalista Audálio Dantas, em 1958, Carolina publicou o primeiro e mais famoso livro, Quarto de Despejo, a partir de anotações em vinte cadernos. O sucesso da publicação lhe permitiu mudar para o bairro de classe média de Santana. Três anos depois, publicou o romance Pedaços de Fome e o livro Provérbios. Carolina nunca quis se casar e teve três filhos, todos frutos de relacionamentos diferentes. Morreu em fevereiro de 1977, aos 62 anos, de insuficiência respiratória. Outras seis obras foram publicadas após sua morte, compiladas a partir dos cadernos e materiais deixados pela autora.

A honraria Honoris Causa, que significa “por causa de honra”, é concedida independentemente da instrução educacional a quem se destacou por suas virtudes, méritos ou atitudes. O agraciado passa a desfrutar dos mesmos privilégios daqueles que concluíram um doutorado acadêmico convencional.  No Brasil, cada instituição de ensino superior define pelo regimento interno quem receberá o título, tendo sido a UFRJ uma das primeiras instituições a concedê-lo, em 1921.

A reitora da UFRJ, Denise Pires de Carvalho, parabenizou a Universidade pela decisão. “Com muito júbilo, tenho a satisfação de ser a reitora neste momento histórico da concessão deste título. Ter o meu nome associado ao de Carolina de Jesus de forma indelével é uma grande honra”, afirmou.

Do ponto de vista de Susana Castro, diretora do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (Ifcs/UFRJ) e responsável pela sugestão da honraria, a concessão tem vários aspectos importantes, entre eles o reconhecimento de Bitita no cenário intelectual, artístico e literário brasileiro. “É uma escritora cuja obra é de uma poesia ímpar, que por si só a faz ocupar lugar de destaque entre as escritoras nacionais. O tempo todo é perceptível nas obras o lirismo… Uma preocupação da autora em resguardar aspectos do ambiente em que vivia que, sob olhares, seriam considerados só inumanos devido à miséria e às condições sanitárias. Isso mostra uma grande veia poética, um domínio da capacidade de descrição pela linguagem”, atentou a professora.

Para Vantuil Pereira, um dos que fundamentaram o parecer para a concessão do título, a homenagem póstuma lança luzes para o futuro do país e a possibilidade de desenvolvermos, dentro e fora da Universidade, caminhos antirracistas. Sem dúvida, segundo ele, a decisão é um resgate de um apagamento e esquecimento da autora. “Uma reparação histórica do esquecimento produzido sobre a história dos negros e de personalidades negras marcantes, como é o caso de Carolina de Jesus. Essa reparação tem um papel didático em sociedades como a brasileira, que durante muito tempo viu o negro de forma negativa pelo completo desconhecimento histórico. O reconhecimento nos faz lembrar do papel que teremos pela frente na luta contra as assimetrias raciais, das quais o espaço universitário tem sido um dos locus privilegiados”, afirmou o professor, coordenador do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas em Direitos Humanos (PPDH), vinculado ao Núcleo de Estudos de Políticas Públicas em Direitos Humanos (Nepp-DH/UFRJ).. 

Ainda segundo a diretora do Ifcs, a vida de Carolina representa um potencial de autossuperação absurdo: “Apesar de a primeira obra, Quarto de Despejo, a ter estigmatizado como escritora da favela e de única obra, para além da denúncia das condições precárias de vida, o que transparece na leitura do livro o tempo todo é a beleza na escolha das imagens, descrições e linguagem. A obra pode ser lida como exercício poético, de uma poética de resíduos. Fragmentado, como diz Elena Pajaros, da USP. Além disso, mostra a polifonia da vida na favela, com várias falas que se entrecruzam o tempo todo. Autodidata, ela superou os entraves sociais, raciais e de gênero. E, sobretudo, não se deixou abater pela fala dos outros que queriam mantê-la em lugar de subalternidade e submissão. O título é importante para que a sociedade fique alerta e não se passe com outras escritoras o mesmo que se passou com ela”.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Football news:

Neymar: I owe Mbappe the adaptation in France and the joy of being here
Joao Felix was injured again. He will miss 10 days
The Bundesliga said goodbye to Monday's matches with Hoffenheim and Bayer zeros. Their cancellation was sought by fans
Mino Raiola: Borussia do not want to sell Holand in the summer. I respect this position, but this does not mean that I agree with it
Alexander Golovin: I enjoy giving such programs. This is my job
West Brom have scored 8 goals in their last 2 matches. For the previous 10 games, only 6 goals were scored
VAR did not count West Brom's goal for offside. Although the author of the goal was probably in the right position