Brazil

Casos de infecção por HIV aumentam no Distrito Federal

Rede pública de saúde oferece testes rápidos para detecção do HIV - (crédito: Marcelo Ferreira/CB)

Rede pública de saúde oferece testes rápidos para detecção do HIV - (crédito: Marcelo Ferreira/CB)

Dados do boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Saúde, nesta terça-feira (1º/12), revelam que os casos de infecção pelo vírus HIV aumentaram em 2019 no Distrito Federal. Ao todo, foram 752 notificações contra 701 em 2018. De acordo com a Subsecretaria de Vigilância à Saúde (SVS), de 2014 a 2019, foram notificados 4.102 casos de infecção pelo HIV e 2.150 casos de aids.

No mesmo período, também houve aumento, embora mais tímido, quando comparado os dois anos, dos casos diagnosticados com Aids – doença causada pelo vírus HIV. Foram 294 casos confirmados no ano passado, oito a mais que no ano anterior. A divulgação ocorre no dia em que se inicia a campanha Dezembro Vermelho – mês de luta contra a Aids.

O casos de infecção pelo vírus HIV e diagnóstico da Aids também cresceram entre a população acima dos 60 anos, entre os anos de 2014 e 2019. Em seis anos, os casos de HIV em maiores de 60 anos, em ambos os sexos, variou 275%. De acordo com o informativo, em 2014 havia 1,3 casos de HIV em homens para cada caso em mulheres. Em 2019, passou a ser 5 casos em homens para cada caso em mulheres. “Essa população é sexualmente ativa, mas ainda encontra barreiras e tabus quando o assunto é sexualidade. É preciso falar abertamente sobre o tema e alertar esse grupo sobre a importância de se prevenir.”, observa a gerente de Vigilância de Infecções Sexualmente Transmissíveis, Beatriz Maciel Luz. 

O levantamento também traz aumento de 25,2% dos casos em jovens entre 20 e 29 anos em 2019, (de 13,1 para 16,4 casos de aids em homens para cada caso em mulheres). Dos casos detectados no sexo masculino, houve redução de 24,4% apenas os indivíduos que estão na faixa etária entre 15 e 19 anos. Nas mulheres, a redução ocorreu em todas as faixas etárias, com exceção daquelas que têm entre 15 e 19 anos e 50 e 59 anos, onde o aumento foi de 5,9%.

Em 2019, de acordo com o boletim, 92% das pessoas em tratamento com medicamentos antirretrovirais apresentaram carga viral indetectável. Ou seja, a situação pode indicar que, apesar do aumento da infecção pelo vírus HIV, a adesão ao tratamento também pode ter aumentado, o que reflete também na redução no número de casos de doentes com Aids.

Os casos de Aids tiveram redução entre os anos de 2014 e 2018. Em 2019, porém, o aumento foi de 2,8%. Já os casos de HIV cresceram durante todos os anos do período citado anteriormente.

Dia Mundial da Luta contra a Aids

Nesta terça-feira (1º/12), Dia Mundial de Luta contra a Aids, para marcar o início da campanha Dezembro Vermelho, mês da conscientização e combate à doença. O Ministério da Saúde, a Secretaria de Saúde e a Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô-DF) abrem a exposição Indetectável, na Estação Central, na Rodoviária do Plano Piloto. A exposição ficará no local até sexta-feira (4/12).

A exposição é composta por fotos, relatos e histórias de vida de 13 pessoas que estão com vírus HIV indetectável no organismo. São registros sensíveis, partilhados voluntariamente, que contam sobre o tratamento e a luta contra o estigma; os medos e angústias, as conquistas e motivações. Veja a galeria de fotos.

Situação epidemiológica por região

Entre os anos de 2014 e 2019, o Riacho Fundo I foi a região administrativa do DF que apresentou maior aumento nos casos de Aids e HIV. Eram 17,3 casos de Aids por 100 mil habitantes e, no ano passado, saltaram para 30,1 casos por 100 mil habitantes, ou seja, um aumento de 74%. Em relação ao HIV, a infecção pelo vírus atingia, em 2014, 7,4 casos para cada 100 mil habitantes. Esse número cresceu 524%, passando em 2019 para 46,2 infecções para cada 100 mil habitantes.

O Setor de Indústria e Abastecimento (SIA), que não tinha casos registrados de infecções por HIV nos anos anteriores, notificou, em 2019, dois casos. O coeficiente de detecção do vírus foi de 74,6 casos por 100 mil habitantes.

Quando se compara 2014 com 2019, o aumento de detecção de HIV também foi maior em Sobradinho, que apresentava, em 2014, o coeficiente de infecção entre 10 e 20 casos por 100 mil habitantes, ficando entre 30 e 40 em 2019. No Gama, também houve aumento, passando de 20 a 30 casos para cada 100 mil habitantes em 2014 para 30 a 40 casos por 100 mil habitantes em 2019.

O Cruzeiro aparece com redução na taxa de infecção pelo vírus, que era entre 40 e 50 casos por 100 mil habitantes em 2014 regredindo para entre 10 e 20 casos para cada 100 mil habitantes. Também houve redução em Sobradinho II, Vicente Pires, Taguatinga, Candangolândia e Lago Sul.

Dos casos de Aids, o Paranoá se manteve com o coeficiente de detecção entre 17 e 23 casos por 100 mil habitantes entre 2014 e 2019. Também ficaram estáveis as regiões de Sobradinho II, Santa Maria, Ceilândia, Riacho Fundo II, Varjão e Planaltina, com coeficiente de 6 a 12 casos por 100 mil habitantes. As demais regiões administrativas apresentaram redução, sendo a mais significativa no Lago Norte, que tinha em 2014 o coeficiente de detecção de 23 a 30 casos por 100 mil habitantes regredindo para 0 a 6 casos em 2019.

Outras regiões que apresentaram maior redução nos coeficientes foram Lago Sul, Guará e Taguatinga, passando de 23 a 30 casos por 100 mil habitantes para 12 a 17.

Mortalidade por Aids

O coeficiente de mortalidade por aids (por 100 mil habitantes), no Distrito Federal, de 2014 a 2019, apresentou redução de 30% passando de 4,6 para 3,2 óbitos por 100 mil habitantes. Nesse período, a Região de Saúde Norte (Planaltina, Sobradinho, Sobradinho II e Fercal) foi a única que apresentou aumento (81%), passando de 1,7 para 3,1 óbitos por Aids a cada 100 mil habitantes.

As maiores reduções foram observadas nas Regiões de Saúde Sul (Gama e Santa Maria) e Centro-Sul (Guará, Estrutural, Sia, SCIA, Candangolândia, Núcleo Bandeirante, Park Way, Riacho Fundo I e Riacho Fundo II), com 53,5% e 52,7%, respectivamente.

Em 2019, as Regiões Oeste (Ceilândia, Brazlândia e Sol Nascente/Pôr do Sol), Sul e Leste (Paranoá, Itapoã, São Sebastião e Jardim Botânico) apresentaram coeficientes de mortalidade por Aids superiores aos do Distrito Federal como um todo. Nesse mesmo ano, o coeficiente na Região Centro-Sul voltou a crescer, com 22,2% de aumento. A Região Norte também apresentou aumento (21,5% em relação a 2018).

No Distrito Federal, a queda foi de 15,2%, comparados os dois últimos anos analisados. Em números absolutos, foram 671 mortes por Aids entre 2014 e 2019, sendo 73,2% (491) em homens e 26,8% em mulheres (180).

Prevenção, diagnóstico e tratamento

Em todas as 172 unidades básicas de saúde e no Núcleo de Testagem e Aconselhamento (NTA), localizado na Rodoviária do Plano Piloto, são oferecidos testes, sendo na maioria rápidos, para detecção do HIV. Essas unidades disponibilizam, durante todo o ano, preservativos masculinos e femininos e gel lubrificante.

A rede pública de saúde oferece a Profilaxia Pré-Exposição ao HIV (PrEP) disponibilizada no Hospital Dia e no Hospital Universitário de Brasília, como estratégia de prevenção, além do uso de preservativos. A PrEP é disponibilizada para populações de maior vulnerabilidade e que tenham práticas de maior risco para infecção pelo HIV.

Também está disponível em toda a rede a Profilaxia Pós-Exposição (PEP). É uma forma de prevenção da infecção pelo HIV com o uso de medicamentos que fazem parte do coquetel utilizado no tratamento da Aids para pessoas que possam ter entrado em contato com o vírus recentemente, por meio da exposição ocupacional, no caso de profissionais de saúde, por exemplo, ou pela exposição sexual ocorrida em casos de sexo sem camisinha ou de violência sexual. A PEP está disponível em todos os serviços de urgência e emergência, Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs) e no Hospital Dia.

Os casos positivos receberão direcionamento para tratamento específico em um Serviço de Atendimento Especializado (SAE) em HIV/Aids. Nos SAEs são feitos exames complementares para averiguar a situação de saúde e o estágio da infecção para estabelecer o tratamento adequado com os antirretrovirais e outros medicamentos indicados, quando necessário. Ao todo, são oito unidades públicas de saúde especializadas: Hospital Dia (508 Sul), ambulatórios dos hospitais regionais de Sobradinho, Ceilândia e Universitário de Brasília e nas policlínicas de Taguatinga, Lago Sul, Planaltina e Gama.

*Com informações da Secretaria de Saúde (SES-DF)

Football news:

Udinese sign Fernando Llorente, Cutrone and sell Lasagna to Verona for 10 million euros
Monaco have re-loaned Onyekuru to Galatasaray
Karavaev on the Eredivisie: The fans are used to goals. Even if the team lost 2:3, they are happy
Mourinho on Lampard's resignation: Football is cruel, especially modern
Dzeko denied West Ham. Striker wants to leave Roma in the winter
Milan wants to sign Porto midfielder Otavio for free in the summer
Manchester United may loan Lingard to West Ham