Brazil

Febre aftosa: Aumenta percentual de animais vacinados na Bahia

O índice de cobertura vacinal contra a febre aftosa na Bahia chegou a 95,42% do rebanho previsto para a segunda etapa da campanha de vacinação encerrada no fim do ano passado. É o maior percentual dos últimos três anos.

Os dados da Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (ADAB) mostram que o número de animais imunizados chegou a 2.945.042 no total.

Nos dois anos anteriores a média alcançou pouco mais de 93% dos animais, índice que já atendia o que preconiza a Organização Mundial de Saúde Animal e o Ministério da Agricultura. Nesta segunda fase a vacinação era obrigatória apenas para animais com até 24 meses de idade. A Bahia possui cerca de 3 milhões de bovinos e bubalinos nesta condição.

O percentual de propriedades rurais da Bahia que cumpriram o prazo de vacinação também aumentou, subiu de 75% para 93% das fazendas. 

“As ações educativas desenvolvidas pela ADAB tem apresentado resultados significativos, o sucesso da campanha vacinal contra a Aftosa é uma delas, evidenciando que o melhor caminho é a adoção de ações sincronizadas com os produtores”, afirma Maurício Bacelar, diretor geral da ADAB.

O prazo para vacinação foi encerrado em novembro do ano passado, mas os pecuaristas tiveram até dezembro para notificar a vacinação através do sistema eletrônico de defesa agropecuária, e só agora os dados consolidados estão sendo divulgados.

A febre aftosa é uma doença viral altamente contagiosa. A Bahia possui certificação de Zona Livre de Febre Aftosa com Vacinação há 22 anos. A expectativa é a de que o estado possa conquistar no futuro o status de zona livre sem vacinação, como já ocorre em Santa Catarina. 

Ainda segundo a ADAB, a última campanha de vacinação contou com a adesão de pecuaristas de todas as regiões do estado, inclusive dos pequenos produtores.

“Graças à essa parceria e à dedicação dos servidores da agência, conscientizando também os trabalhadores rurais, conseguimos ultrapassar nossa meta e chegar onde não havíamos chegado antes, em todas as regiões da Bahia”, acrescenta Bacelar.

Além do combate a febre aftosa, as equipes de defesa agropecuária têm intensificado as ações para evitar a entrada na Bahia de outras doenças, como a peste suína clássica. A PSC já foi registrada em outros estados e provocou o sacrifício de mais de 6,5 mil animais no ano passado no Nordeste.