Brazil

Flávio Bolsonaro se vacina e diz que presidente 'negacionista' garantiu as doses

O presidente atuou contra a compra de vacinas, espalhou informações falsas sobre a Covid-19 e fez campanhas de desobediência a medidas de proteção, como o uso de máscaras

O senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) foi vacinado contra a Covid-19 nesta quinta-feira (22) pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e em publicação em rede social ironizou as críticas de negacionista feitas a seu pai, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). "Obrigado ao 'negacionista' Jair Bolsonaro por garantir a vacina nos braços de todos os brasileiros!", disse.

O presidente atuou contra a compra de vacinas, espalhou informações falsas sobre a Covid-19, fez campanhas de desobediência a medidas de proteção, como o uso de máscaras, distribuiu remédios ineficazes contra a doença e incentivou aglomerações.

Além da famosa frase dita em dezembro de 2020 sobre o risco de virar um jacaré depois de tomar a vacina da Pfizer ("Se você virar um jacaré, é problema seu"), voltou boa parte dos seus ataques especificamente à Coronavac, vacina produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, ligado ao governo paulista, e usada como trunfo pelo governador de São Paulo, João Doria (PSBD), seu rival político. Nesta quinta (22), o presidente voltou a colocar em dúvida, sem apresentar evidências, a eficácia da Coronavac.

"Sabemos dos problemas que a vacina chinesa, Coronavac, vem ocasionando em alguns países, como Chile, por exemplo, e aqui no Brasil também. Pessoas que tomaram duas doses e foram infectados ou reinfectadas. Então, a eficácia da Coronavac está lá embaixo, realmente."

Bolsonaro disse ainda que "até hoje a Coronavac não tem comprovação científica", o que não é verdade, e que os brasileiros não querem tomar este imunizante.

O filho do presidente aproveitou para enaltecer a vacina da AstraZeneca, que no Brasil é produzida pela Fiocruz e foi negociada pelo governo federal. Em vídeo em suas redes sociais, o senador afirmou que a vacina que tomou é "eficaz e bem mais barata que a de outros fabricantes".

De fato, a vacina Covishield produzida pela Fiocruz é eficaz contra a Covid, assim como todas as outras vacinas de outras fabricantes com autorização para uso no Brasil. Até o momento, podem ser aplicadas no país a Coronavac, da farmacêutica Sinovac e produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, a Comirnaty, da Pfizer, e o imunizante de dose única da Janssen.

A Covishield também é de fato mais barata em comparação às outras disponíveis no país. Cada dose do imunizante, considerando o primeiro lote adquirido, saiu por US$ 3,16. As outras vacinas possuem valor acima ou igual a US$ 10 por dose.

Dados de eficácia da Coronavac já foram publicados na revista científica The Lancet e a vacina já recebeu aprovação da OMS (Organização Mundial da Saúde) para uso emergencial. Dessa forma, o imunizante pode ser distribuído pelo consórcio Covax -que distribui imunizantes no mundo-, do qual o Brasil faz parte.

O presidente chegou até a comemorar um episódio em que a pesquisa do imunizante foi interrompida momentaneamente para investigação de um evento -um suicídio- após uso da vacina. Pausas do tipo podem acontecer e servem para garantir a segurança do estudo. Como não houve apontamento de relação entre a aplicação da vacina e o evento, os estudos foram retomados.

A alta de casos de Covid no Chile, citado pelo presidente, e em outros países (incluindo Israel, que vacinou sua população majoritariamente com Pfizer), não evidencia que as vacinas não funcionam. Todos os imunizantes contra a Covid-19 aprovados até agora geram proteção elevada (mais de 90%) contra casos graves e óbitos, embora a proteção contra a infecção em si tenda a ser mais baixa do que a observada nos estudos.

O fato é que as vacinas mais tradicionais, que utilizam a tecnologia de vírus inativado (como Coronavac e Sinopharm), parecem ter efetividade menor na redução de casos sintomáticos de Covid, enquanto outras conseguem frear novas infecções. No entanto, fatores como cobertura vacinal e outras medidas de controle da pandemia são cruciais para a avaliação dessas vacinas em cada um dos países.

No Brasil, o estudo de eficácia na vida real e com cobertura vacinal massiva no município de Serrana (SP) mostra o poder da Coronavac de não só reduzir mortes e internações, mas também casos, desde que com cobertura vacinal ampla.

Football news:

Juventus does not want to extend the contract with Ronaldo because of the high salary. But this summer he will not leave
Khramtsov's gold is heroism: he fought at the Games with a broken arm. Victory of Maxim-in memory of mom
Kepa on the conflict with Sarri in the League Cup final: This is a huge misunderstanding. I didn't have an injury, I just wanted to buy time and help the team
Manchester United has agreed the transfer of Varane with Real Madrid for 41 million pounds, including bonuses
Newcastle want to sign Tuanzebe. Defender will leave Manchester United due to Varane's transfer
Former Juventus player Giovinco is close to moving to PAOK
Kepa pro Premier League: The hardest league for goalkeepers. But I quickly adapted