logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Brazil

Livro diz que Bolsonaro quase demitiu Moro, quando não apoiou proteção de Toffoli para Flávio. Por Renato Janine Ribeiro

“Tormenta”, o livro de Thais Oyama sobre Bolsonaro. Foto: Divulgação

Publicado originalmente no perfil de Facebook do autor

POR RENATO JANINE RIBEIRO, ex-ministro e filósofo

Terminei de ler “Tormenta”, o livro de Thais Oyama sobre Bolsonaro. Tem revelações importantes, quase todas elas já resumidas pela Folha. Só acho que a escolha de seguir uma ordem mais ou menos cronológica fez perder o impacto. Poderia ter separado em capítulos (que é o que o leitor fará mentalmente):

– Toffoli. Por que se tornou aliado preferencial de Bolsonaro? É verdade que torpedeou um golpe de Mourão, que fecharia o Congresso e o STF e tiraria Bolsonaro?
– Mourão. Pensou mesmo nesse golpe ou é conversa de Toffoli?
– Carlos, o filho. Tem mesmo transtornos de humor? Se sim, medica-se? Passou anos, no passado, e semanas, em 2019, sem falar com o pai. O pai se preocupa com ele, diz a autora. Por quê?
– Moro. A autora revela que Bolsonaro quase o demitiu, quando o ex-juiz não apoiou a proteção dada por Toffoli ao filho Flavio. Como ficaram Moro e turma? Dallagnol como se articula com o ministro?
– VazaJato. Podia ser mais comentada, bem como o silêncio da Globo e Estadão sobre ela.
– Guedes. Como uma pessoa assim controversa vira fiador da economia? Podia aprofundar o stress entre ele e a equipe dos grandes economistas tucanos.
– Paranoia. Bolsonaro tem muito medo de ser morto. Nem frequenta o jardim do Alvorada. É uma revelação importante. E também exige devoção canina, sinal de insegurança. Seria esplêndido um capítulo sobre esse tema, inclusive consultando psicólogos, talvez.

O livro vale a pena, mas uma divisão em capítulos temáticos teria dado mais impacto do que a narrativa cronológica.

Themes
ICO