Brazil

Mercadante: autoritarismo de Bolsonaro será derrotado

“Esse projeto autoritário, obscurantista e de violação de direitos e garantias vai ser derrotado politicamente, como foi a ditadura no passado. Esse saudosismo da ditadura não tem futuro histórico.”, defendeu o ex-ministro Aloizio Mercadante

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

“Esse projeto autoritário, obscurantista e de violação de direitos e garantias vai ser derrotado politicamente, como foi a ditadura no passado. Esse saudosismo da ditadura não tem futuro histórico.” Essa declaração foi dada pelo ex-ministro e presidente da Fundação Perseu Abramo, Aloizio Mercadante, no programa Tertúlia, da TV Democracia dos jornalistas Fábio Pannunzio e Juliana Fratini, nesta quarta-feira (5). 

Para Mercadante, será uma disputa acirrada, mas os valores da democracia irão prevalecer. “É uma disputa dura, não é uma disputa fácil, mas eu tenho certeza de que vão prevalecer os valores civilizatórios, os valores do estado democrático de direito, os valores de um estado republicano, os valores de uma justiça independente, isenta, que não seja partidária”, afirmou.

América Latina

Mercadante avaliou que esse movimento de crescimento da extrema direita, de desrespeito da democracia e de imposição da agenda neoliberal tem ocorrido não só no Brasil, mas em toda a América Latina. “No caso do Equador, por exemplo, Rafael Correa liderava todas as pesquisas presidenciais, forçaram o julgamento dele e suspenderam os direitos políticos dele por 25 anos. Em seguida, o juiz eleitoral suspende o partido Revolução Cidadã, que lidera todas as pesquisas, uma coisa absurda”, pontou.

O ex-ministro também afirmou que na Bolívia houve um golpe de estado contra o ex-presidente Evo Morales. “O Evo ganhou o primeiro turno. A discussão é se ele tinha 10% ou não a mais que o segundo colocado. Mas, a OEA fez um parecer dizendo que não tinha, deflagrou um processo de levante nas ruas, e você vê que tem grandes magnatas americanos envolvidos nisso por causa do lítio, forças policiais e milícias contra o governo, o Evo acaba renunciando e vai para o exílio, com o Álvaro Liñera e outras lideranças do governo, alguns são presos e, depois, Harvard fez um estudo mostrando que não houve fraude na eleição”, explicou.

Segundo o ex-ministro, há, hoje, 70 estradas bloqueadas na Bolívia porque os golpistas querem adiar a realização de novas eleições, em que o ex-presidente e o partido dele lideram todas as pesquisas. 

Êxito dos projetos populares

Para Mercadante o governo Evo foi um governo absolutamente exitoso.  “Você pode discutir se tinha que ter mais um mandato ou não, mas o projeto de ter um indígena governando a Bolívia”,  como foi ter um operário, alguém do povo,  aqui no Brasil, invertendo prioridades, distribuindo renda, colocando os pobres no orçamento, fazendo o Bolsa Família, o Mais Médicos, o Minha Casa, Minha Vida, aumentando o salário mínimo, colocando 5 milhões de estudantes a mais nas universidades, fazendo a política de cotas para que os alunos das escolas públicas, negros, indígenas e pobres tivesse o direito de entrar na universidade foi um êxito histórico”, explicou. 

Segundo o ex-ministro, todos esses avanços foram feitos em um país que tem um longo passado escravocrata e colonial com uma oligarquia que é completamente avessa aos governos populares. “Mas, agora, o país não pode continuar sendo tão desigual, com tanta exclusão social e com tanta pobreza. Acontece que esse período da história mostrou que é possível mudar e essa experiência histórica vai voltar, de que forma e quanto, eu acho que é cedo para dizer, mas vai voltar, porque a maioria do povo vai se conscientizar que é necessário mudanças mais profundas”, avaliou. 

Dossiê do Ministério da Justiça

No programa, Mercadante também comentou a questão do dossiê do Ministério da Justiça, que investiga e cataloga os servidores opositores do governo, identificados como antifascistas. “Desde a ditadura que nós não ouvíamos mais falar de serviço de inteligência submetido a um projeto de poder, um projeto do governo. A inteligência existe para os interesses do Estado brasileiro, sobretudo naquelas questões complexas e temas sensíveis a segurança institucional. Não pode ser utilizado para um projeto de poder, como está sendo feito por essa extrema direita, que não tem limites e ele agora quer criar uma central de inteligência com essa finalidade”, afirmou.

“Eu acho que o Supremo vai ter que reagir novamente, como está fazendo com a questão das fake news, que era outro abuso de autoridade, outra deformidade. Então, eu espero que a gente consiga também que o Supremo reaja, exija a punição dos envolvidos e impeça que isso tenha prosseguimento, porque a sinalização do Bolsonaro é que vai continuar”, concluiu.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Football news:

Cesc Fabregas: Mane is the best player in the Premier League
Benzema played his 350th game for Real Madrid in La Liga
Atletico are in talks with Arsenal to buy out Torreira
Kulusevski scored with the sixth touch and the first shot for Juve-this is crucial in the debut victory of coach Pirlo
Real Madrid was the first in La Liga to release 4 players born in the 2000s
Messi says goodbye to Vidal: I always thought you were a phenomenon. Our paths will cross again
Zidane about 0:0 with Sociedad: Real Madrid lost two points. Overall, we played well