Brazil

O vídeo da reunião ministerial é catastrófico para Bolsonaro, não o contrário

O colunista Gustavo Conde afirma que o ceticismo progressista adere perigosamente à naturalização de Bolsonaro. Ele diz: "o vídeo da reunião ministerial de Bolsonaro é catastrófico para Bolsonaro. É falso que ele sirva de atiçamento das hostes milicianas. É falso que ele represente a autenticidade ideológica do bolsonarismo"

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Muita gente do campo democrático está dizendo que a divulgação do vídeo da reunião ministerial foi excelente para Bolsonaro, que ele não se comprometeu e que pode, inclusive, crescer em popularidade.

Daqui do 'chão da fábrica do sentido' (e não da 'diretoria acadêmica' do 'eu sei'), o que me resta seria tentar explicar por que isso acontece.

Vamos por itens, para ficar mais fácil:

1) Há um tom charmoso de ceticismo nesses enunciados. Quem os ostenta, portanto, promove um efeito de 'inteligência' no tom de seu discurso. É uma percepção embolorada de velha, mas o ceticismo ainda causa boa impressão nas rodas intelectuais;

2) Ser contraintuitivo também é bom marketing. Dá a impressão de que 'você' rema contra a maré ingênua de seus pares. Os céticos, no entanto, só esqueceram de que eles é que se tornaram hegemônicos 'nessa' (portanto, contraituitivos seriam os que realizaram a proeza de se espantarem com o vídeo da reunião e de entenderem que ele poderia ser prejudicial a Bolsonaro);

3) O trauma nos setores democráticos é tão grande que há manifestações cíclicas de carência e negação. É como no amor: eu não posso 'me apaixonar de novo porque já fui enganado uma vez e sofri muito'. É mais simples se proteger atrás da muralha do derrotismo;

4) Há também razões técnicas para o gesto, por incrível que pareça. A sequência macabra de falas de Bolsonaro que "não dão em nada" levaria a crer que continuarão 'não dando'. Razões técnicas, no entanto, também podem estar erradas (senão não seriam técnicas mas, sim, dogmáticas). Contra estas, em específico, perguntaria: não estão 'dando em nada'? E Celso de Mello? E o STF? E as ameaças múltiplas? E as pesquisas acusando queda de popularidade do governo?

5) Claro, o trauma é grande (releia o item 3). Ser obrigado a apostar no STF mais uma vez é quase proibitivo. Mas o que os céticos da esquerda 'inteligente' e premonitória não sabem é que não é preciso 'apostar': basta 'interpretar'. Sobre essa 'amarra' cognitiva da necessidade da crença ou da aposta, eu aconselharia humildemente: não é preciso idolatrar nada nem ninguém para formular boas hipóteses sobre conjuntura política (não é preciso gostar de Felipe Neto para aproveitar alguns enunciados interessantes que ele venha ter a felicidade e a sorte de produzir);

6) O risco de se propagar aos quatro ventos com indefectível gozo que o vídeo da reunião ministerial vai ajudar Bolsonaro a se fortalecer politicamente é bastante alto (e eticamente, um desastre): a visão cética 'normaliza' a estratégia de comunicação do presidente genocida. Uma coisa é entender sua estratégia de comunicação, outra coisa é incorporá-la aos pressupostos técnicos de leitura politica. Em outras palavras: quem acha que Bolsonaro se deu bem com a reunião e ostenta essa percepção em textos autorais como um alerta heroico à sociedade 'inocente' e 'burra', está cometendo um erro crasso de leitura e um desvio grave de conduta intelectual. Seria preciso ler Hannah Arendt novamente.

O país prossegue confuso em meio ao maior conjunto de catástrofes conjugadas da história. É compreensível que todos estejam 'perdidos'. O colapso é semântico - e quando o colapso é semântico, não há muito o que fazer, senão esperar a história agir, quem sabe tentando acelerar um pouquinho o fechamento do ciclo de horror.

Mergulhamos nesse ciclo gradativamente. Sairemos dele na mesma proporção tensiva (semiótica e histórica).

Lembrando que: sem líder, fica difícil - e desejar uma liderança não é carência (como a carência de se autoproclamar cético para não amar a democracia de novo): é apenas a constatação de como se dão os deslocamentos políticos ao longo da história.

O líder, obviamente, é Lula. Mas para que ele lidere, é preciso fazer o trabalho braçal de lutar contra o antipetismo endêmico que nos bloqueia a todo o momento - e nos embota o pensamento, mesmo os que dele não participam.

O vídeo da reunião ministerial de Bolsonaro é catastrófico para Bolsonaro. É falso que ele sirva de atiçamento das hostes milicianas. É falso que ele represente a autenticidade ideológica do bolsonarismo.

É falso que ele reverbere fundo no coração do brasileiro comum, tão afeito ao "genocídio estrutural e conceitual que nos caracteriza".

Dizer isso é de um prepotência sem limites.

Deixo a sugestão para que se leia mais história e menos 'análises' geniais de progressistas céticos.

Também deixo a sugestão para se conhecer melhor a semiótica tensiva, essa teoria que contempla as acelerações e desacelerações do sentido criada na França, mas adaptada com imensa felicidade por um linguista brasileiro chamado Luiz Tatit.

Essa dimensão teórica explica o processos de "acúmulos políticos" que estamos experimentando. Ela explicaria bastante bem o fato de Bolsonaro estar afundando de maneira acelerada, em meio ao caos político-sanitário em curso.

Ela explicaria, inclusive, a função estrutural do ceticismo progressista (porque este também tem uma função para o desenlace histórico no horizonte, embora não pareça).

Vamos ler um pouquinho mais.

Faz bem e não engorda.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Football news:

Bale will not leave Real Madrid in the summer. The club did not receive any offers
Ibrahimovic flew to Sweden. It will treat an injury to the calf muscle
Manchester United took 140 million pounds on loan. Perhaps this money will be spent on transfers in the summer
Napoli offers 22 million euros for God. Sassuolo wants 35 million^. Napoli intends to acquire the midfielder Sassuolo Jeremy Boga
The President of Brescia confirmed Balotelli's departure: He is a strange guy. We are disappointed
Troy Deeney: Sorry For Liverpool. This will be the year the pandemic tainted, not the year they took over the League. They deserve a trophy
Panucci can lead the Liege standard