Brazil

"Penso que a justiça foi feita", diz avó de Rhuan Maycon sobre condenação

Antes de assassinarem a criança, as acusadas chegaram a retirar o pênis e os testículos de Rhuan, sem anestesia ou acompanhamento médico - (crédito: Divulgação)

Antes de assassinarem a criança, as acusadas chegaram a retirar o pênis e os testículos de Rhuan, sem anestesia ou acompanhamento médico - (crédito: Divulgação)

Quase um ano e meio após um crime que chocou o Brasil, familiares de Rhuan Maycon, 9 anos, receberam com alívio a condenação das duas mulheres que assassinaram a criança. "Penso que a justiça foi feita. É muito triste perder meu neto, mas, agora, elas (as acusadas) vão começar a pagar pelo que fizeram", desabafou Maria do Socorro de Oliveira, avó paterna do menino, morto em maio de 2019.

Nesta quarta-feira (25/11), o Tribunal do Júri de Samambaia condenou por homicídio qualificado, lesão corporal gravíssima, tortura, ocultação e destruição de cadáver e fraude processual Rosana Auri da Silva Candido, mãe da criança, a 65 anos de prisão, e Kacyla Priscyla Santiago Damasceno Pessoa, companheira de Rosana, a 64.

Emocionada, Maria do Socorro afirma que, desde o assassinato, não há mais motivo para alegria na família. "Não temos mais Natal nem Dia das Crianças. É uma tristeza que não passa. A condenação dá um alívio. Agora, levaremos a vida como a gente pode. Deus dá o conforto diariamente."

A guarda de Rhuan estava com a família do pai dele. Ele morava com os avós paternos no Acre até ser levado à força por Rosana. A criança foi submetida a tortura, inclusive tendo os testículos e o pênis retirados, sem uso de anestesia ou acompanhamento médico.

Relembre o caso

Na madrugada do dia 31 de maio de 2019, Rosana e Kacyla apunhalaram Rhuan Maycon e degolaram a criança, ainda viva. Em seguida, elas esquartejaram o corpo, perfuraram os olhos e dissecaram a pele do rosto do menino. A dupla tentou incinerar o que sobrou do corpo, mas, como não conseguiu, colocou as partes em uma mala e duas mochilas.

Rosana caminhou cerca de 1km até encontrar um bueiro, onde deixou a mala. Quando voltou para buscar as mochilas, um adolescente, que havia visto a cena, suspeitou e recuperou o objeto. Ao ver o conteúdo, ele acionou a polícia.

Rosana e Kacyla foram presas em flagrante e confessaram o crime. Uma das motivações seria a determinação da Justiça do Acre para que o pagamento da pensão do menino fosse suspenso no início do mês. A decisão seria uma tentativa de forçar as mulheres a aparecer, pois as duas eram procuradas pelo desaparecimento de Rhuan.

Irmã de criação

Rhuan não era a única criança com a dupla. A filha de Kacyla, uma menina de 9 anos, também havia sido levada à força pela dupla. Assim como o irmão de criação, ela não frequentava a escola e não podia sair de casa. Depois da prisão das acusadas, ela foi devolvida ao pai, que a levou novamente para Rio Branco.

Kacyla havia fugido da cidade em 2014, com a filha, Rosana e Rhuan. Eles passaram por dezenas de endereços, como Trindade (GO), Goiânia e Aracaju, até chegar ao Distrito Federal. Aos investigadores, o casal afirmou que a menina dormia quando o crime aconteceu. No entanto, ao chegar à delegacia, a criança fez o desenho de um corpo ensanguentado, com os órgãos para fora.

Football news:

Brother Chalova moved to the Serbian Subotica
Barcelona will not sign Garcia in the winter due to financial problems
Rodgers on the draw with Everton: It was unlucky that Leicester did not score the second goal
Ancelotti on 1-1 with Leicester: I don't remember Hames scoring with a right before
Andrea Pirlo: In my 1st season at Juve, we were behind Milan, but we took the title. Everything depends on us
The judge made two mistakes. De Gea was pushed and there was no foul on our cancelled-out goal. Solskjaer on the loss to Sheffield
Maguire on the defeat to Sheffield Wednesday: We gave the opponent two goals, we didn't play at the level we expected