Brazil

PM do Policiais Antifascismo é preso sob alegação de desespeitar superior no Maranhão

Cabo Moreno Lima está preso desde terça-feira (15/9) no quartel do Comando Geral da PM-MA | Foto: Arquivo pessoal

da Ponte Jornalismo

por Jeniffer Mendonça

O policial militar e pré-candidato a vereador da cidade de Imperatriz pelo Progressistas cabo Moreno Sergio Lima foi preso sob alegação de ter desrespeitado um coronel no Maranhão, na terça-feira (15/9). Moreno é integrante do movimento Policiais Antifascismo.

De acordo com o advogado dele, Francisco Xavier, o cabo foi intimado a comparecer no Comando de Policiamento de Área do Interior porque havia gravado um vídeo, no começo da semana, reclamando da demora da corporação de licenciá-lo do cargo para dar prosseguimento à formalização da candidatura.

Na filmagem, divulgada em grupos de Whatsapp, Moreno fala que desde agosto o comando do 14º Batalhão da PM está “prejudicando” a sua liberação para a disputa, uma vez que ainda não teria assinado a licença. “Na semana passada [11/9], foi a convenção do meu partido, eu dei entrada na documentação e simplesmente não assinam o meu requerimento [de afastamento]“, afirma. “A perseguição é clara, mas não vamos nos calar”, diz.

A legislação eleitoral determina a desincompatibilização de servidores públicos, ou seja, o afastamento da função deve ser feito em um determinado período para que o cargo de servidor que não seja usado em prol da própria candidatura. Para policiais, o prazo é de três meses de afastamento antes da data da votação, segundo o TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

O vídeo do cabo acabou resultando na abertura de um IPM (inquérito policial militar). Na manhã de terça-feira (15/9), segundo os documentos obtidos pela Ponte, o major Robson Mauro da Cruz Correia e o coronel Glauber Miranda Silva eram os responsáveis pelo inquérito. Em depoimento, cabo Moreno afirma que não tinha nada a declarar sobre o vídeo e assumiu a autoria da publicação. Depois, questionou o coronel a respeito da licença o qual respondeu perguntando como funciona o sistema de registro eleitoral. Segundo Moreno, mesmo explicando sobre a licença, o coronel teria feito a mesma pergunta de formas diferentes por três ou quatro vezes.

Em determinado momento, segundo o texto, Moreno disse em voz alta “estou falando grego?”. O coronel Glauber teria retrucado “de forma sarcástica e irônica” de que “tem um QI baixo e que não é inteligente como o declarante [Moreno]“. O cabo deu a réplica: “coronel, não adianta ser sarcástico, que isso não vai resolver o meu problema” e depois questionou “o senhor entendeu qual é o meu problema?” e diz que a atuação da corporação em não licenciá-lo está “equivocada”.

O major Robson teria interpelado a situação indicando que a postura do cabo estaria sendo “inconveniente” e que poderia estar cometendo crime militar. Após o interrogatório sobre o inquérito, ele chamou o major Remy Launé Linhares e deu voz de prisão em flagrante contra Moreno por desrespeito a superior hierárquico na frente de outro militar, crime previsto no artigo 160 do Código Penal Militar, que prevê pena de três meses a um ano de prisão.

Dois dias depois, na quinta-feira (17/9), o juiz da Auditoria Militar Nelson Melo de Moraes Rego converteu a prisão em preventiva. “[…] percebe-se que a liberdade do suspeito no presente momento causaria potenciais danos à hierarquia e à disciplina militares, uma vez que a prática de tal delito por si só, traz uma desmoralização da corporação, que ataca os objetivos da instituição policial, motivo pelo qual se torna mais prudente a decretação da prisão preventiva”, argumentou o magistrado.

Moreno foi levado para o quartel do Comando Geral da PMMA, em São Luís, onde está preso.

Para Francisco Xavier, defensor do cabo, a corporação está cerceando os direitos do policial. “Não houve nenhum xingamento, nenhuma desmoralização para que o coronel se sentisse ofendido”, aponta. “O alto comando da PM não quer que os policiais tenham direito de voz, não querem que eles se candidatem, é uma clara perseguição do governo Flavio Dino (PCdoB)”, critica. Ele também menciona que o policial passou a responder procedimentos administrativos por cobrar melhores condições de trabalho durante a pandemia.

Requerimento de registro de candidatura do cabo Moreno | Foto: Reprodução

O movimento Policiais Antifascismo no Maranhão publicou nota na sexta-feira (18/9) repudiando a prisão e solicitando posicionamento do governador. “Conclamamos, em nome da Democracia, da Ética e da prática aliada ao discurso, que o camarada e governador do Maranhão, Flávio Dino, tome providências contra este e demais casos por trás dos muros da instituição policial do Maranhão que deve prezar sempre pelo Direito, pela verdade e pelo bem, o que é o seu papel, não sendo jamais reduto para o Fascismo contra os trabalhadores da segurança pública”, diz trecho da nota.

Para o policial militar e coordenador-adjunto do movimento Policiais Antifascismo em São Paulo, que também é pré-candidato, Leandro Prior, a corporação no Maranhão está “distorcendo a realidade” e “perseguindo” o cabo por causa do vídeo e da atuação política. “O quartel não pode fazer juízo de valor, é um mero procedimento [assinar a licença] para que ele possa ser candidato e esse documento ficou por mais de 10 dias passando por várias mesas no intuito de inviabilizar a pré-candidatura”, critica.

Em entrevista à Ponte sobre as pré-candidaturas do movimento Policiais Antifascismo, Moreno já havia criticado o governador Flavio Dino de que policiais que questionam a gestão “são perseguidos e transferidos”.

Lei de Bolsonaro vale para a prisão?

Em dezembro de 2019, o presidente Jair Bolsonaro extinguiu a pena de prisão disciplinar administrativa para policiais militares e bombeiros militares de todo o Brasil, estabelecendo que cada estado, além do Distrito Federal, determinasse em 12 meses os critérios e escalas de punição das infrações disciplinares com base na nova lei.

O texto não vale para decisões judiciais. Para o tenente-coronel da reserva da PM de São Paulo e mestre em Direitos Humanos Adilson Paes de Souza, “por mais que a descrição do fato na conduta administrativa e do crime na conduta criminal sejam semelhantes, ou até mesmo idênticas, uma coisa é processo administrativo militar, punição disciplinar, prisão disciplinar como condenação disciplinar que não pode mais”, explica. “Outra coisa é uma pena de um processo penal militar na esfera do poder judiciário, que não foi revogada”, complementa.

O que diz a PM

Ponte procurou a Secap (Secretaria de Comunicação Social e Assuntos Políticos) a respeito da prisão. Solicitamos entrevista com o coronel Glauber e o major Robson e questionamos a respeito do requerimento de licença do cabo e do regulamento sobre as infrações disciplinares com base na nova lei.

A pasta não respondeu as questões e enviou nota informando que “não
houve prisão disciplinar, mas que ocorreu prisão em flagrante, que foi convertida em prisão preventiva pelo Poder Judiciário” e que “todas as controvérsias serão examinadas na esfera judicial”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Football news:

Hans-Dieter flick: Bayern played great defense and didn't let Eintracht do much
Ajax with the score 13:0 beat Venlo. This is the biggest win in Eredivisie history
Messi doesn't score for Real Madrid after Ronaldo left for Juve. In the last Clasico before the transfer, they both scored
Sergio Ramos: Clean penalty, I was grabbed. It is unfair to judge the referee
Ronald Koeman: I don't understand VAR, it's working against us. Barcelona do not deserve such defeats
Griezmann did not make any effective actions in five matches under Koeman
Ex-referee Andujar Oliver believes that the referee should not have awarded a penalty against Barca in the Clasico