Brazil
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Quadros de depressão e de transtorno de ansiedade. Saiba onde buscar ajuda

Se precisar, peça ajuda! Esse é o lema do Setembro Amarelo deste ano, mês marcado por ações de prevenção ao suicídio. Segundo a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), o Brasil é um dos países com as maiores taxas de diagnósticos de transtornos de ansiedade e depressão, doenças que, se não forem diagnosticas e tratadas, podem levar ao autoextermínio. Dados da ABP mostram uma média de 14 mil casos de suicídios por ano no país, ou seja, são 38 pessoas que diariamente atentam contra a vida. Instituições e órgãos públicos realizam ações para acolher aqueles que precisam de apoio.

Para a psicóloga Lorrane Sousa, a campanha do Setembro Amarelo visa conscientizar, proteger e psicoeducar a população. "Muitos acreditam que falar sobre suicídio não é a solução, mas é um mito. É um assunto delicado e complexo que precisa ser discutido e com responsabilidade", enfatiza. Lorrane afirma que muitos indivíduos não têm conhecimento da importância de cuidar da saúde mental, fundamental para o equilíbrio emocional. "Quanto mais acesso à informação, mais os estigmas são desmistificados e mais pessoas são alcançadas e estimuladas a se cuidarem", disse.

Fernanda (nome fictício), 19 anos, começou a fazer acompanhamento psicológico aos 16 anos. As mudanças típicas da adolescência e a preocupação com os estudos geravam crises de ansiedade que minavam sua qualidade de vida e, por coincidência, parecia que todos ao seu redor se sentiam da mesma forma. 

"Acredito que estamos vivendo em um período muito diferente de qualquer outro. A imensidão de informações, o imediatismo e as pressões sociais e econômicas são os principais pilares da vida moderna. Todos esses aspectos influenciam demais na saúde mental", destacou. Assim, teve a sorte, como ela mesma pontuou, de contar com o apoio da família e dos amigos, além do próprio reconhecimento sobre a importância da terapia. 

Nas sessões semanais com a psicóloga, ela começou a compreender melhor seus sentimentos, a lidar com o outro e com certas situações sociais, antes evitadas. "Sinto que melhorei muito, consigo expressar melhor minhas emoções e pensamentos. E, para manter a vida minimamente estável e 'sobre os eixos', o cuidado psicológico é indispensável e não envolve apenas terapia, mas também o cuidado físico e do ambiente em que nos encontramos", relatou.

Entender as emoções

Externalizar as emoções nem sempre é fácil para todo mundo. O psiquiatra Ricardo Lins explicou que algumas pessoas têm dificuldades em compartilhar os sentimentos, o que não significa que não há sofrimento psíquico. Nesses casos, é muito importante haver maior atenção e cuidado por parte dos familiares e dos amigos próximos, para que percebam como a pessoa "funciona" e qual a melhor forma de acolhê-la. 

"A sociedade ainda não despertou para o fato de que sentimentos hostis, relações difíceis, violência, abandono entre outros fatores relacionais fazem com que as pessoas queiram acabar com as dores internas, de forma que algumas delas não conseguem transformar estes sentimentos em pedido de ajuda nem conseguem elaborar pensamentos que se transformem em decisões de cuidado", argumentou o médico. Por isso, a importância da empatia e dos serviços de saúde que poderão acolher esses indivíduos de outras maneiras. 

Onde buscar ajuda

Ceub

A Clínica Escola de Psicologia do Centro Universitário de Brasília (Ceub) fornece apoio psicológico gratuito para pacientes a partir de quatro anos. Para agendar a consulta é preciso entrar na lista de espera. O cadastro pode ser feito pelo telefone (61) 3966-1660.


UnB

A Universidade de Brasília (UnB) mantém o Centro de Atendimento e Estudos Psicológicos (Caep), que é vinculado ao Instituto de Psicologia que cuida da comunidade em geral. Para ser atendido é necessário fazer a incrição pelo site: caep.unb.br.


SUS

Os atendimentos biopsicossociais fornecidos pela Secretaria de Saúde são realizados nas Unidades Básicas de Saúde. Em casos de necessidade de maior atenção, o SUS conta os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) e ambulatórios especializados em saúde mental. Os 18 Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) do DF são destinados ao atendimento de pessoas com sofrimento mental grave, incluindo aquele decorrente do uso de álcool e outras drogas, seja em situações de crise ou nos processos de reabilitação psicossocial. O atendimento ocorre por demanda espontânea, ou seja, o comparecimento do usuário direto nos centros, ou por encaminhamento da rede de saúde e também de outras áreas como assistência social, educação e Justiça.


CVV

O Centro de Valorização à Vida (CVV), oferece serviço de apoio emocional. Quem quiser conversar com um voluntário do CVV pode ligar para o telefone 188, que funciona nas 24 horas do dia, inclusive aos finais de semana e nos feriados. Também é possível ser atendido por e-mail e chat, a partir do site cvv.org.br. No Brasil, são cerca de 3.500 voluntários que se revezam nos atendimentos. Em alguns momentos pode haver maior demanda pelo serviço, como na madrugada ou final de semana, mas assim que possível a pessoa que ligou será escutada com respeito e acolhimento. É importante lembrar que o atendimento é sigiloso e o anonimato é totalmente garantido.


Jesus Vive

A igreja evangélica Jesus Vive, localizada na Asa Sul, através da JV Assistência Social, disponibiliza para a população o acesso a profissionais de saúde e psicologia, com atendimento específico para cada pessoa. A JV Assistência Social também está realizando palestras para crianças com especialistas da comunicação infantil, explicando a importância do cuidado da saúde mental dentro da realidade dos pequenos. Com os adolescentes estão sendo realizadas palestras e aconselhamento psicológico com profissionais da área. Para o público em geral a JV realiza em sua sede, todos os domingos, palestras específicas sobre a saúde mental, depressão, transtornos e momentos de crises. Endereço: Sgas 915, Quadra 915, s/n, Conjunto B, Bloco B, térreo — Asa Sul.

 *Com a colaboração de José Augusto Limão, estagiário sob a supervisão de Márcia Machado


Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br