Brazil

Vacina da Pfizer deve ficar fora do Plano Nacional de Imunização brasileiro

Jornal GGN – O Ministério da Saúde afirmou nesta terça-feira, 1 de dezembro, que as vacinas contra a Covid-19 que farão parte do Plano Nacional de Imunização devem “fundamentalmente” ser termoestáveis e que possam ser armazenadas em temperaturas de 2°C a 8°C. Sendo assim, o imunizante desenvolvido pela americana Pfizer e a alemã BioNTech deve ficar fora do programa.  

Isso porque, a vacina da Pfizer, batizada de BNT162b2 e 95% eficaz contra o novo coronavírus, exige condições especiais de armazenamento, com temperaturas de -70º C.

Ainda nesta terça-feira, a organização americana solicitou às autoridades europeias a autorização para uso emergencial de sua vacina. Se aprovado, regiões da Europa devem começar a vacinar a população ainda este mês. 

No Brasil o processo ainda deve demorar. Hoje, em entrevista coletiva, o secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Arnaldo Medeiros, afirmou que o plano nacional de vacinação contra a Covid-19 só será concluído apenas após o registro de um imunizante pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Há possibilidade, no entanto, de que uma versão prévia do programa seja divulgada ainda nesta semana.

Além disso, o programa deve da preferência às vacinas de dose única e que sejam “fundamentalmente” termoestável por longos períodos, em temperaturas de 2°C a 8°C. 

“O que nós queremos de uma vacina? Qual o perfil de uma vacina desejada? Claro, que ela confira proteção contra a doença grave e moderada, que ela tenha elevada eficácia, que ela tenha segurança, que ela seja capaz de fazer uma indução da memória imunológica, que ela tenha possibilidade de uso em diversas faixas etárias, e em grupos populacionais”, disse o secretário.

“E que idealmente ela seja feita de dose única, embora muitas vezes isso talvez não seja possível, só seja possível em mais de uma dose, mas fundamentalmente que ela seja termoestável por longos períodos, em temperaturas de dois a oito graus. Por quê? Porque a nossa rede de frios, nessas 34 mil salas, é montada e estabelecida com uma rede de frios de aproximadamente 2°C e 8°C”, completou.

A exigência se dá por não existir na logística brasileira ultracongeladores na chamada Rede de Frio, do Programa Nacional de Imunização brasileiro. Hoje, as vacinas são armazenadas em refrigeradores, com temperaturas similares às das geladeiras caseiras. Com isso, o imunizante da Pfizer contra a Covid-19, aguentaria apenas cinco dias na condição do padrão dos refrigeradores brasileiro.

Mas, apesar das declarações de exigências, o Ministério não citou especificamente nenhum laboratório.

Com informações da Folha de S. Paulo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Football news:

Pogba's time at Manchester United is running out again. The club did not buy a top player, but a beautiful story for social networks, Paul lost the battle for influence to Brun
Roma made an extra substitution in the Italian Cup match. The club faces a technical defeat
The Premier League is investigating the transfer of Snodgrass to West Brom. West Ham banned him from playing against them at the sale
Football has broken into Fortnite. The game will host the Pele Cup, add the uniforms of Man City, Juventus and Milan, and a legendary celebration
Shalimov about Miranchuk: Atalanta is an ideal team for him. Don't go anywhere
Agent about Wendel in Zenit: A risky deal, may not be justified
Shevchenko about Ukraine at Euro 2020: Goal-minimum-exit from the group