Portugal

A gritar é que a gente se desentende

Integrado na colecção Imagens Que Contam, esta narrativa visual, explica-nos a autora, brasileira, começou assim: “Achei intrigante brincar com a ideia de fazer um ‘livro silencioso’ bem barulhento. Nessa pesquisa, me dei conta de que uma das maiores ‘gritarias’ que me rondavam há um certo tempo era justamente quando a política entrava no meio. Por ser brasileira e ter morado recentemente nos EUA e Inglaterra, presenciei de perto as transições para o ‘Brexit’, Trump e Bolsonaro. Era impossível fugir de discussões e opiniões questionáveis, desde motoristas de Uber a posts intermináveis no Facebook e WhatsApp.”

Fica assim explicado o título: Discórdia.

O que começam por ser pequenas nuvens de desacordo passam a tempestades de conflito, algumas irreversíveis. Nani Brunini, natural de São Paulo, conta ao PÚBLICO: “Vi muitos amigos afastando-se de seus familiares e amigos porque, conversar, sobre qualquer assunto, tinha-se tornado intolerável. Essa angústia ficou ainda maior quando percebi que pessoas que respeito estavam do ‘outro lado’. Era uma situação incompreensível, inesperada, bizarra e parecia que não iria acabar bem.”

Nani Brunini

A ilustradora, que agora reside em Portugal, diz ainda: “Tenho a impressão de que desaprendemos a discutir – o que, aliás, é um terrível exemplo para as crianças. Aprendemos muito quando estamos perto de opiniões e experiências diferentes das nossas.”

Mas o livro acaba por trazer esperança, já que haverá alguém que conseguirá ajudar as personagens a encontrar “pontes de entendimento” e a relembrar “que é possível discordar de forma respeitosa e construtiva”. 

Desafiámo-la a fazer uma legenda única no livro: o que escreveria e onde? “Acho que não colocaria legenda em qualquer lugar... Apesar de ter sido um desafio ter falado sobre um tema tão complexo sem ajuda de um texto, fez-me ver o assunto de uma forma diferente.”

Recorre à expressão, de que gosta muito: “Não entendeu? Quer que eu desenhe?” (o equivalente ao nosso “é preciso fazer um desenho?”) e esclarece: “Parece bobo, e muitas vezes diminuímos o papel das ilustrações, mas o facto de não termos um texto como suporte exige do leitor um esforço, na minha percepção, positivo, para que ele chegue a uma narrativa própria.”

Escutar o outro

No livro, há uma espécie de salvador, um rapaz. Quisemos saber quem era: “A priori, não houve uma razão muito clara para escolher aquele personagem. Realmente poderia ter sido qualquer um deles. O engraçado é que só me dei conta depois de terminado o livro de que ele é o personagem que tem as orelhas grandes, ou seja, uma óptima metáfora/solução para um grupo de pessoas que precisam de parar de gritar e ouvir-se uns aos outros.” 

O rapaz conta a ajuda de um cavalo para orientar os humanos a encontrar uma saída, mas podia até nem ser um animal, como explica a autora: “Ao serem engolidos pelo monstro, os personagens continuam o caos – alguns discutem, outros se desesperam. Um deles, no entanto, sai da bagunça e percebe que consegue moldar a sua fala em qualquer formato. Ele, então, cria um cavalo (poderia ter sido um skate, uma bicicleta, um dragão...) como uma maneira de procurar uma saída daquele lugar escuro e cavernoso.” Resultou.

Nani Brunini

Dos pincéis ao digital

Sobre a técnica usada, descreve: “A maioria dos desenhos começou à mão com pincel e tinta-da-china e depois passou por um vaivém entre Photoshop, Procreate e às vezes de volta para os pincéis.” Também nos dá conta do ambiente: “Escutei muita música clássica e voltei a desenhos da minha infância, como a Pantera Cor-de-Rosa e o Fantasia da Disney, para me ajudar a traduzir o que seriam manchas de fala mais ríspidas e outras mais calmas. Foi bastante desafiante, mas muito divertido.”

Na escolha das cores, Nani Brunini quis fugir às convenções cromáticas da política: “O azul e o laranja servem apenas para diferenciar um grupo do outro. No geral, procurei fugir de referências a grupos específicos, como vermelho para a esquerda e azul para a direita, por exemplo.”

Apesar de Discórdia ter nascido por observação e vivência de conflitos ligados à vida política, “não é necessariamente um livro sobre brigas entre grupos políticos”, esclarece. E acrescenta: “Como as falas são manchas abstractas e não ícones, não sabemos sobre o que exactamente estão contra ou a favor, nem de onde são ou mesmo que língua falam. Só sabemos que são dois grupos antagónicos e que estão muito zangados.” Vê-se. Aliás, quase se consegue escutar a gritaria que as imagens transpiram.

Querer ganhar pelo grito

Não tem dúvidas de que, “nos dias de hoje, há muita gente querendo ganhar no grito, tentando desesperadamente convencer o outro de que o seu lado está certo, geralmente com boas intenções. No entanto, esse caos barulhento só ajuda a aumentar o gap”.

A esperança que se vislumbra no livro não surgiu logo à partida, apareceu durante o processo criativo, como recorda a autora, que se estreia com este livro depois de um curso realizado na escola ArCo, leccionado por Catarina Sobral e Tiago Guerreiro, com a orientação de André Letria, editor do Pato Lógico. “Fazer o Discórdia, para mim, foi uma experiência extremamente catártica. Como eu estava vivendo aquela situação em tempo real, não tinha ideia de como o livro iria acabar. A história foi mudando junto comigo. Eu, na verdade, comecei bastante negativa. Não conseguia ver uma solução para um impasse tão grande.”

Com o avançar do tempo, Nani foi perdendo o pessimismo: “Aos poucos, lendo mais sobre empatia e conversando com mais pessoas, comecei a ver uma luz no fim do túnel – o que não quer dizer que o fim do livro foi algo estilo Hollywood, em que todos chegam a um ponto comum ou mesmo ao contrário, dizendo: ‘OK, não tem jeito mesmo, cada um para o seu lado. Agora só conversamos sobre se vai chover ou não’.” E concluiu: “A situação é muito complexa e não há uma única solução – às vezes até ouvir o outro lado não é suficiente – mas penso que é nossa responsabilidade procurar de forma proactiva reverter esse cenário.”

Discórdia é, portanto, um livro “para quem está cansado de gritaria”. Afinal, ganha quem grita mais alto ou perdem todos? Chiu!

Mais artigos Letra Pequena e blogue Letra Pequena

Football news:

Ancelotti's 2-2 win over Tottenham: One of Everton's best home games. The fate of entering the European Cup will be decided in the last game
Mourinho on Pogba's words about him: I don't care what he says. Not Interesting
Mourinho on Everton penalty: No comment. Having experience, I just laugh at such moments
Kane came out on the 7th place in the list of the best scorers of the Premier League. He has 164 goals
Yaya Toure sent Guardiola a letter of apology: I am waiting for a very long time for a response
Marcelino on the Spanish Cup: You can't win against Barca without suffering. They are used to winning finals
Koeman on the future: It's strange to have to answer such questions. We had a 19-match unbeaten streak