Portugal

Cerca de 150 escolas vandalizadas e 330 mortos na África do Sul

A onda de violência na África do Sul começou após a detenção do ex-Presidente Jacob Zuma, no passado dia 7 de Julho.

O número de mortos foi revisto em baixo, de 337 para 330 Reuters/SIBONELO ZUNGU

Cerca de 150 escolas foram vandalizadas durante a recente onda de violência e explosões que abalaram a África do Sul, referiram este sábado as autoridades do país, que reviram o número de mortos de 337 para 330. “Centros e instituições educativas foram vandalizados e saqueados”, disse a ministra da Educação Básica da África do Sul, Angie Motshekga, durante uma conferência de imprensa, citada pela agência de notícias espanhola EFE.

A governante explicou que 137 colégios sofreram danos relacionados com os incidentes na província de KwaZulu-Natal (este) e 11 em Gauteng (onde ficam Joanesburgo e Pretória), província que já sofreu a vandalização de um total de 43 escolas, desde o início do ano. Segundo Motshekga, o custo total estimado dos danos ao sistema educacional, causados durante os distúrbios nas duas províncias, ascende a 300 milhões de rands (mais de 17 milhões de euros).

Durante os distúrbios, foram destruídos, nas escolas, balneários, instalações hidráulicas, sistemas de abastecimento de água, instalações eléctricas e vedações. Foram igualmente saqueados computadores e equipamentos de cozinha, enquanto salas de aula e edifícios administrativos foram incendiados. “Isto não tem precedentes e, como sector da educação, estamos preocupados com a destruição de infra-estruturas tão necessárias. É um sério revés para um sector que já está sob pressão para proporcionar instalações adequadas para o sistema educacional”, lamentou Motshekga.

Apesar de tudo, a ministra espera que os centros educativos vandalizados possam reabrir, à semelhança do resto das escolas, na segunda-feira, 26 de Julho.

Os distúrbios também provocaram a perda de 47.500 doses de vacinas contra a covid-19, na sequência do saque de mais de 120 farmácias nas províncias de KwaZulu-Natal e de Gauteng, 71 das quais funcionavam como pontos de vacinação.

Quanto ao número de mortos, foi revisto em baixo, de 337 para 330. “O número de mortes é revisto quando há confirmação de que estão relacionadas com os incidentes ou quando os feridos sucumbem aos ferimentos”, explicou o ministro em exercício da Presidência da África do Sul, Khumbudzo Ntshavheni, em conferência de imprensa.

A onda de violência começou após a detenção do ex-Presidente Jacob Zuma. Zuma, de 79 anos, ex-presidente do ANC, está preso desde 7 de Julho no Centro Correcional de Estcourt, a cerca de 150 quilómetros da sua residência, em Nkandla, área rural do KwaZulu-Natal, por desrespeito ao Tribunal Constitucional.

Football news:

Dybala and Morata have muscle injuries. They will not play with Chelsea and Torino
Neville criticized the players for apologies in social networks in the style of Bruno: Their PR people create fake personalities
Watzke about Sancho at Manchester United: It hurts me that he is not used so often
UEFA has abandoned the case against the founders of the Super League-Barca, Real Madrid and Juventus
Agnelli on the Super League: Its values will ensure the stability of the football industry
Moriba has not yet played for Leipzig after his transfer from Barca. Coach Marsh does not count on him
Simeone about Milan: Playing with such a club in the Champions League is fantastic. The top team that has grown in recent years