Foi revelada esta quinta-feira a longlist do Booker Prize International, prémio que procura incentivar a publicação e leitura de ficção de qualidade traduzida para a língua inglesa e publicada no Reino Unido ou Irlanda. Este ano, a lista dos 13 nomeados é composta por uma variedade de línguas e nacionalidades, estando o castelhano e o francês em maior número.

Entre os autores de língua castelhana contam-se, por exemplo a repetente Samantha Schweblin, da Argentina, Fernanda Melchor, do México, e Enrique Vila-Matas, de Espanha. A longlist inclui dois franceses: Michel Houellebecq, com Serotonin, e Emmanuelle Pagano, com Faces on the Tip of My Tongue.

Os romances escolhidos são os seguintes:

  1. Red Dog, de Willem Anker (África do Sul). Traduzido por Michiel Heyns (Pushkin Press);
  2. The Enlightenment of The Greengage Tree, de Shokoofeh Azar (Irão). Tradutor anónimo (Europa Editions);
  3. The Adventures of China Iron, de Gabriela Cabezón Cámara (Argentina). Traduzido por Iona Macintyre e Fiona Mackintosh (Charco Press);
  4. The Other Name: Septology I – II, de Jon Fosse (Noruega). Traduzido por Damion Searls (Fitzcarraldo Editions);
  5. The Eighth Life, de Nino Haratischvili (Geórgia). Traduzido por Charlotte Collins e Ruth Martin (Scribe UK);
  6. Serotonin, de Michel Houellebecq (França). Traduzido por Shaun Whiteside (William Heinemann);
  7. Tyll, de Daniel Kehlmann (Alemanha). Traduzido por Ross Benjamin (Quercus);
  8. Hurricane Season, de Fernanda Melchor (México). Traduzido por Sophie Hughes (Fitzcarraldo Editions);
  9. The Memory Police, de Yoko Ogawa (Japão). Traduzido por Stephen Snyder (Harvill Secker);
  10. Faces on the Tip of My Tongue, de Emmanuelle Pagano (França). Traduzido por Sophie Lewis e Jenninfer Higgins (Peirene Press);
  11. Little Eyes, de Samanta Schweblin (Argentina). Traduzido por Megan McDowell (Oneworld);
  12. The Discomfort of Evening, de Marieke Lucas Rijneveld (Holanda). Traduzido por Michele Hutchison (Faber & Faber);
  13. Mac and His Problem, de Enrique Vila-Matas (Espanha). Traduzido por Margaret Jull Costa e Sophie Hughes (Harvill Secker).

O júri deste ano do Booker International é composto pelo escritor e crítico literário Ted Hodgkinson (presidente), pela diretora da Villa Gillet e editora Lucie Campos, pela tradutora Jennifer Croft (que recebeu este galardão pela tradução de Viagens, da polaca Olga Tokarczuk), pelo jornalista e escritor Jeet Thayil e pela autora Valeria Luiselli.

No ano passado, o Booker Prize International foi atribuído a Jokha Alharti, pelo romance Corpos Celestiais, publicado em Portugal no início deste ano pela editora Relógio d’Água. Alharti foi a primeira escritora originária do Sultanato de Omã a vencer o prémio, a primeira a ser traduzida para inglês e a sua obra a primeira em língua árabe a ganhar o galardão.

Corpos Celestiais conta a história de três irmãs que vivem na aldeia omanense de al-Awafi — Mayya, que se casa com um pretendente oriundo de uma família rica depois de um desgosto de amor; Asma, que casa por dever; e Khawla, que espera por um homem que emigrou para o Canadá.

Os seis finalistas do Booker Prize International serão revelados a 2 de abril e o vencedor será conhecido a 19 de maio. A longlist do Booker Prize, o prémio de ficção em língua inglesa, só será anunciada a 28 de julho. Em 2019, este galardão foi atribuído pela primeira vez a duas escritoras — à canadiana Margaret Atwood e à britânica Bernardine Evaristo.