Portugal

Coronavírus não para de fazer vítimas. Já matou 41 pessoas

Controlo da temperatura num aeroporto da Coreia do Sul

YONHAP / EPA

De 31 de dezembro de 2019 até este sábado registaram-se 1350 casos confirmados de infeção pelo Coronavírus (2019-nCoV), entre os quais 15 profissionais de saúde. 41 pessoas morreram.

O novo vírus já reclamou 41 vidas no conjunto de países onde existem casos confirmados de contágio de acordo com a informação disponibilizada este sábado pelo European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC). Desde 31 de dezembro de 2019, há 1350 casos laboratorialmente confirmados de infeção pelo novo coronavírus (2019-nCoV), incluindo 15 profissionais de saúde. Todos os casos externos à China referem uma história recente de viagem a Wuhan das pessoas contaminadas.

A Direção-Geral de Saúde (DGS) emitiu um comunicado no qual se avalia o impacto do surto de pneumonia pelo 2019-nCoV nos países com casos confirmados: China (excluindo a Formosa) 1323 casos; Formosa três; Tailândia cinco; Japão dois; Coreia do Sul dois; Estados Unidos dois; Singapura três; Vietname dois; Nepal um; Malásia três; França três e Malásia um.

Neste momento, para melhor caracterizar a situação, o surto continua em investigação, incluindo a pesquisa ativa de casos e a vigilância de contactos com o fim de identificar novos casos.

Como se lê no comunicado da DGS, este facto reflete-se na "demora entre o registo dos casos reportados localmente e a notificação dos mesmos nos circuitos internacionais, pelas autoridades competentes".

Desde 23 de janeiro que a cidade de Wuhan está sem voos nem transportes públicos e com muitos estabelecimentos públicos encerrados como cinemas.

Regras para viajar para a China

O ECDE considera "provável" a importação de casos na UE/EEE onde a probabilidade de transmissão secundária é considerada baixa uma vez cumpridas as práticas de prevenção e controlo de infeção relacionadas com um eventual caso importado.

Por não haver provas de transmissão pessoa a pessoa fora do território chinês, o Comité de Emergência do Regulamento Sanitário Internacional, reunido em 22 e 23 deste mês, decidiu não declarar Emergência de Saúde Pública de Âmbito Internacional. No entanto, a decisão poderá ser alterada a todo o momento, com o Comité a reunir-se de novo a 27 de janeiro.

A quem viajar para a China, a DGS reforça as seguintes recomendações: seguir as recomendações das autoridades de saúde do país; evitar contacto próximo com pessoas que tenham sinais de sintomas de infeção respiratória aguda; lavar frequentemente as mãos, em especial após contacto diretos com pessoas doentes e evitar contacto com animais.