Portugal

Covid-19. Quinze mitos sobre o novo coronavírus, para não se deixar enganar

No que ao Covid-19 diz respeito, o clima de medo favorece a proliferação de falsas informações a uma velocidade que arrisca ser superior à da própria transmissão do vírus. E se algumas não resistirão ao bom senso, outras há que preocupam a Organização Mundial da Saúde (OMS), por promoverem comportamentos de risco. Daí os alertas quanto aos mitos que circulam. A saber:

O novo coronavírus pode ser transmitido por picadas de mosquito

Não, o Covid-19 é transmitido principalmente pelo contacto com uma pessoa infetada, através de gotículas expelidas quando a pessoa doente tosse ou espirra, explica a OMS. Não existe qualquer evidência que suporte a alegação de que este vírus pode ser transmitido através de insetos.

O Covid-19 pode ser destruído em 30 segundos com um secador de mãos

Não. Os secadores de mãos, como os usados nas casas-de-banho públicas, não matam o vírus.

A urina infantil protege contra o novo coronavírus

A urina não mata vírus ou bactérias, este sim é um facto.

O novo coronavírus pode ser transmitido através do manuseamento de notas e moedas

Apesar de informações preliminares indicarem que o novo coronavírus pode sobreviver na superfície de um objeto por algumas horas ou um pouco mais, o risco de alguém ficar infetado pelo contato com objetos, como moedas, notas ou cartões de crédito, é muito baixo.

O frio e a neve matam o Covid-19

Não. A temperatura normal do corpo humano mantém-se a cerca de 36,5°C e 37°C, independentemente da temperatura exterior ou das condições meteorológicas, logo “não há razão para acreditar que o frio possa matar o novo coronavírus ou acabar com outras doenças”, insiste a OMS.

A cocaína oferece proteção contra o novo coronavírus

Não. Além de desmentir o mito, a OMS recorda que a cocaína é uma droga estimulante e viciante, cujo consumo é prejudicial à saúde e provoca sérios efeitos colaterais.

Os animais de companhia podem transmitir a doença

Não há até agora provas que apontem nesse sentido. Mas é “conveniente lavar as mãos com água e sabão depois de tocar nos animais de companhia, para se proteger de várias bactérias comuns que podem ser transmitidas aos seres humanos, entre elas a E. coli e a Salmonella", recomenda a OMS.

As vacinas contra a pneumonia protegem contra o novo vírus

Não. As vacinas contra a pneumonia, como a vacina pneumocócica e a Haemophilus influenzae tipo B (Hib), não protegem contra o novo coronavírus, frisa a OMS. A vacinação é recomendada, por evitar doenças respiratórias, mas ainda não existe uma vacina específica contra o Covid-19. Nisso estão a trabalhar vários investigadores.

O novo coronavírus pode alcançar até oito metros de distância com um espirro

É falso. O vírus é expelido através dos espirros e tosse, mas as gotículas respiratórias atingem até um metro de distância, adianta a OMS. Daí a recomendação para evitar o contacto próximo com quem tem febre ou tosse.

O novo patógeno pode espalhar-se a grandes distâncias através do ar

Na verdade, as gotículas provenientes da saliva ou das secreções do nariz "são muito pesadas para se espalhar por longas distâncias", explica a OMS, que alerta para o facto de a infeção também poder ocorrer ao tocar nos olhos, boca ou nariz após o contacto com uma superfície contaminada.

Pode reutilizar-se uma máscara N95

Não. As máscaras, incluindo máscaras clínicas planas e máscaras de filtro N95, não devem ser reutilizadas. Após o contacto próximo com uma pessoa infetada com o novo coronavírus ou outra infeção respiratória, a parte frontal da máscara usada deve ser considerada contaminada e descartada. Para a retirar, o procedimento correto é não tocar na frente e logo depois lavar as mãos com um gel hidroalcoólico ou com água e sabão.

O Covid-19 morre se for usada uma lâmpada ultravioleta para desinfeção

As lâmpadas ultravioletas não devem ser usadas para esterilizar as mãos ou outras partes do corpo, pois a radiação ultravioleta pode causar eritema (irritação da pele), esclarece a OMS.

É aconselhável lavar o nariz com uma solução salina para evitar infeções

"Embora algumas evidências indiquem que enxaguar o nariz regularmente com uma solução salina pode acelerar a recuperação após uma constipação comum, não foi demonstrado que isso previna infeções respiratórias", assinala a OMS.

Comer alho ajuda a prevenir a infeção pelo novo coronavírus

O alho é um alimento com algumas propriedades antimicrobianas, mas nenhuma evidência aponta para que a sua ingestão proteja contra o novo coronavírus.

Aplicar óleo de sésamo na pele evita a infeção

Não. O óleo de sésamo não mata o novo coronavírus. Existem desinfetantes químicos que aplicados em determinadas superfícies podem matar o Covid-19 - como desinfetantes à base de cloro e alguns solventes - no entanto estes produtos têm pouca ou nenhuma eficácia contra o vírus quando aplicados na pele ou sob o nariz (além de serem perigosos para o efeito).